outubro 31, 2010

Autógrafos do blog — Antonio Miranda


Foto: Salomão Sousa

Na tarde deste domingo de eleição, tive o prazer de receber nova visita de Antonio Miranda. Acompanhamos juntos a apuração das eleições, que resultou na vitória de Dilma Roussef. Ele com críticas ácidas à metodologia dos institutos de pesquisa. Aroveitei para colher o seu material para incusão nesta série de "autógrafos do blog". Antonio Miranda é o diretor da Biblioteca Nacional de Brasília. Além de poeta de vasta e aclamada obra, é estudioso da cultura e das novas mídias. Palestrante ágil, de vasto conhecimento da modernidade — portanto, sempre convidado para eventos no exterior.
Meu amigo.

Autógrafos do blog - Guido Heleno


Ao passear pelo shopping Conjunto Nacional, daqui de Brasília, encontrei-me com o poeta Guido Heleno. Aproveitei para colher material para a série "autógrafos do blog". Guido Heleno é amizade que vem desde as leituras de poesia pelas praças de Brasília, idos dos anos 80. É poeta generoso, autor de literatura infantil reconhecido nacionalmente, com livros indicados pelo Ministério da Cultura. Presença constante nas escolas do Distrito Federal para auxiliar na formação novos leitores.

outubro 18, 2010

Tropa de elite 2

Como a sociedade brasileira exige uma vingança rápida, uma aprendizagem rápida, é aceitável o excesso de informações e de narração do filme "Tropa de elite 2". Quando o problema social é urgente, a metáfora pode ficar para depois. E me pergunto: coincidência ou Mário Vargas Llosa viu o filme para declarar à Veja que "a esquerda" atrapalha na solução de problemas locais (Rio de Janeiro/política brasileira) e internacionais (Cuba)?

outubro 17, 2010

Autógrafos do blog — Zeca Baleiro


(clicar nas imagens para ampliá-las)

Ao acompanhar a minientrevista que Zeca Baleiro concedeu ao poeta Antonio Miranda na Pré-Bienal da II Bienal Internacional de Poesia, passei a ser mais ainda admirador de sua obra. Além da obra musical, é de uma vivacidade crítica surpreendente. Sempre me convenço mais: é impossível o artista produzir bem sem envolver-se com as contradições de seu tempo. Informações sobre ele no sítio Zeca Baleiro.

Autógrafos do blog — Nicolas Behr


Foto: Salomão Sousa

Na foto:Nicolas e Amneres (ao fundo).

(clicar nas imagens para ampliá-las)

Nicolas Behr é fervorosamente aclamado e sobejamente conhecido pessoal e virtualmente para ficarmos aqui chovendo no molhado na tentativa de uma apresentação. Ele é uma pedra no caminho, pois em qualquer lugar de Brasília que caminharmos tropeçamos com a poesia de Nicolhas Beher. Mais informações no sítio dele: Pau Brasília.

Autógrafos do blog — Sids Oliveira

(clicar nas imagens para ampliá-las)



Foi surpreendente assistir a performance poética de Sids Oliveira na Pré-Benal da II Bienal Internacional de Poesia da Biblioteca Nacional de Poesia. Na performance, a poesia aparece acompanhada de tudo — luzes, teatralidade, uma mixagem fusion/poética que só ele conseguiria fazer. Buscar mais indformações sobre o trabalho de Sids Oliveira no blog Poesia Pura, que ele mantém. 

Autógrafos do blog — Ana Guillot

(clicar nas imagens para ampliá-las)

Foto: Salomão Sousa


ANA GUILLOT é argentina e esteve em Brasília para participar da pré-Bienal da II Bienal Internacional de Brasília, na Bibliotena Nacional de Brasília. Além de poeta, Ana Guillot é professora de Letras e mantém um programa radiofônico denominado "Dos Palabras". Integra diversas antologias e publica em jornais artinos e do exterior. Mais informações, consultar a página pessoal de Ana Guillot.  



 a juan jose saer

eu vejo uma sombra também
um caleidoscópio de mim
as tendas gregas
e helena na alta torre
e dela era o desejo
e é meu
a bela descreve a silhueta de paris com sua língua
eu libero minhas noites para interrogá-las
adelina não pode fornicar
mas helena pode
das duas sou um rosto possível
dois homens também me amaram
a história se repete ou somos apenas arquétipos?
o que celebra o que canta?
o que descreve?
vejo uma sombra e ao estar eu sei que estive
os lugares se acumulam em meus ossos
o que terei para recordar?
escrava na galiléia ou senhora?
crente fervorosa ou pária?
helena devora o amado por desejar o tesouro de ílion
adelina dança
sou o rosto de ambas
a inocência sustenta o esqueleto
mas é ambígua esta razão
de ser
sensuais e promíscuas
ou virgens de cândida pureza inalcansável 













outubro 16, 2010

Autógrafos do blog — Alexandre Marino

(Clicar na imagem para ampliá-la)

Alexandre Marino detém carreira poética sólida, pois domina com consciência a construção e a crítica da linguagem do seu tempo. Brasília se orgulha de mais um mineiro nas suas letras. Informações bibliográficas sobre ele podem ser buscadas no Sítio do Alexandre Marino.

Autógrafos do blog — Amneres

(clicar na imagem para ampliá-la)

Amneres é presença marcante na poesia de Brasília, seja em recitais e livros solos, seja nas apresentações do grupo Oi Poema. Informações sobre Amneres podem ser colhidas em vastidão no seu sítio pessoal "Poesia em tempo real".

outubro 15, 2010

Autógrafos do blog - José Santiago Naud

(Clicar nas imagens para ampliá-las)
Foto: Salomão Sousa



Amadureci uma amizade valorosa com o poeta José Santiago Naud desde os os primórdios de meu relacionamento com a Associação Nacional de Escritores. Ainda sem obra publicada, eu e o Wil Prado sentávamos cautelosos entre Almeida Fischer, Luiz Beltrão, Domingos Carvalho da Silva, Santiago Naud, Fernando Mendes Viana, Anderson Braga Horta na sala da associação (215 Sul). Firmei muitos de meus conhecimentos sobre literatura ali naquelas conversas noturnas, comendo amendorim torrado e tomando coca-cola. Acredito que a melhor escola de poesia não é na escola, mas nos bancos públicos das ruas e com o corpo a corpo com outros poetas. Através de encontros, desencontros e encontrões. Senão vira uma poeta de gabinete, frio e desalentado.
José Santiago Naud é um dos fundadores da UnB e um dos importantes brasileiros com os pés em Brasília. Sua obra vem sendo estuda com carinho pelo poeta Floriano Martins. Consultar mais imformações sobre Santiago na página do Antonio Miranda

CAVALO MORTO
 
Morto.
A cabeça tão bela,
outrora insofrenável, agora
ropousando nos vermes. O corpo
terso, enorme,
                        inominável já,
colando-se na terra. E a grama
vencendo a repugnância
ensaia terna
                     uma cor mais nova.
 
Antes, uso. Agora,
memória mal exposta. Signo
do tempo. Meditação confusa.
Velocidade podre.
Das patas ágeis
- persistência patética –
restam os cascos,
apenas restos de cabelos escuros.
Sobre,
o arcanjo da destruição passa
sombrio, e enfeixa
aquela descomposta figura
nos silêncios da espada.

Autógrafos do blog - Flávio R. Kothe

(Clicar sobre as imagens para ampliá-las).


Foto: Salomão Sousa
Flávio R. Kothe, professor da UnB, intelectual de destaque por estudos da literatura brasileira e tradução de importantes pensadores (Benjamin, Heinrich Mann, Patrick Süskind, Karl Marx, Nietzsche entre outros) e do poeta Paul Celan, é poeta e contista.Mora em Brasília, onde mantém viva participação na vida cultural. Informações detalhadas sobre Flávio R. Kothe, consultar a página da UnB.

Autógrafos do blog — Alan Viggiano

(Clicar na imagem para ampliá-la)

Alan Viggiano, mineiro de Inhapim, amigo de Ziraldo e José Aparecido de Oliveira, é escritor estudioso da obra de João Guimarães Rosa. Uma das figuras basilares da literatura de Brasília, fundador das Associação Nacional de Escritores. Mas é ficar chovendo no molhado — mais informações sobre ele e suas obras (romances, estudos críticos e demais, inclusive estudo sobre José Aparecido de Oliveira) podem ser buscadas no site da Nós Revista, que é mantida virtualmente pela Editora Thesaurus.  Ainda recentemente, o amigo João Carlos Taveira fez um depoimento nas Terças Literárias da Associação Nacional de Escritores sobre a obra e a vida de Alan Viggiano. Escrevi a resposta para o Alan e a assinatura dele é legítima. Uma declaração super amorosa para sua terra natal: "Inhapim é minha infância, e quem quiser conhecê-la existe um mapa completo no meu coração".

Autógrafos do blog — Clóvis Senna


Foto: Salomão Sousa
(clicar sobre as imagens para ampliá-las)
Clóvis Senna, que acabou de comemorar com uma festa linda (da qual tivemos a honra de participar) os 50 anos de casamento com Gladis, é um dos veteranos do jornalismo de Brasília. É escritor, membro da Associação Nacional de Escritores. Maiores informações sobre seus dados bibliográficos, consultar o link Depoimento.

outubro 07, 2010

Autógrafos do blog — Ivan da Presença

(clicar nas imagens para ampliá-las)

Foto: Salomão Sousa

Da série de autógrafos do blog, incluímos o do Ivan da Presença, que mantém desde 1999 o Quiosque Cultural, espaço de vendas de discos e livros usados no Conic (Brasília). Foi tão importante para a cidade a Livraria Presença que o nome se incorporou ao nome do Ivan. E o Quiosque Cultural também desempenha papel importante como local de convergência de artistas da cidade. Ivan não é mais só um livreiro, mas uma figura lendária de Brasília. Não é à toa que será homenageado na abertura da Feira do Livro, que começa nesta sexta-feira, 8, às 18 horas, no Parque da Cidade. Ivan, sou seu eterno amigo e fã.

Primavera em Brasília

no final de tarde de uma quarta-feira
perto de uma estação de metrô
quando atravesso uma brecha de cerrado ausente
roço a minha cabeça na primavera de Brasília.

atraso um pouco a minha chegada à livraria
para registrar as flores vermelhas do flamboaiã
e êxtase claro do ipê branco.

Fotos: Salomão Sousa

Autógrafos do blog — Cicinho Filisteu



(Clicar na imagem para ampliá-la)
Na série de autógrafos do blog, segue Cicinho Filisteu, jornalista que integra a direção do Pacotão, em Brasília. Ele mantém o blog Urbi et Orbi, onde expressa as suas irreverências políticas.

Autógrafos do blog - Solange Bogéa

Foto: Salomão Sousa
(clicar na imagem para ampliar)


 Em continuidade às postagens de autógrafos de poetas, amigos e de outras personalidades, incluímos hoje a pintora Solange Bogéa, que — conforme consta na página dedicada à sua obra — “domina várias técnicas, carrega consigo a tradição intuitiva e as marcas de um aprendizado sistemático, mas sobretudo prazeroso, fruto de um processo criativo lento e amadurecido. Suas pinturas tratam das riquezas naturais da terra, da intimidade dos ambientes, de elementos da flora brasileira, utilizando cores vivas e quentes em telas de formato médio de 120 x 160cm. Rejeitam, contudo, a conotação de natureza morta, razão da sensação de movimento e de vida que a obra geralmente causa nos espectadores”.Sua obra está citada em vasta bibliografia e já foi objeto de de várias exposições.

outubro 06, 2010

Walking Around


PABLO NERUDA

Tradução: Salomão Sousa


Acontece que me canso de ser homem.
Acontece que entro nas alfaiatarias e nos cinemas
cabisbaixo, impenetrável, como um cisne de feltro
navegando numa água original e cinza.

O cheiro dos salões de beleza me faz chorar aos gritos.
Quero apenas um descanso de pedra ou de lã,
quero apenas não ver estabelecimentos, nem jardins,
nem mercadorias, nem óculos, nem elevadores.

Acontece que me canso de meus pés e de minhas unhas
e de meu cabelo e de minha sombra.
Acontece que me canso de ser homem.

Seria sem dúvida prazeroso
assustar um notário com um lírio cortado
ou levar à morte uma monja com um puxão de orelha.
Seria belo
ir pelas ruas com um punhal verde
e dando gritos até morrer de frio.

Não quero continuar sendo raiz nas trevas,
vacilante, estendido, tiritando de sonho,
para baixo, nas tripas molhadas da terra,
absorvendo, pensando, e comendo a cada dia.

Não quero para mim tantas desgraças.
Não quero continuar como raiz e como tumba,
como subterrâneo, só, como um bar cheio de mortos
entorpecidos, a morrer de pena.

Por isso a segunda-feira queima como petróleo
quando me vê chegar com minha cara de cárcere
e chia ao escoar-se como uma roda ferida
e com passos de sangue quente ruma para a noite.

E me empurra para certos rincões, para certas casas úmidas,
para hospitais onde os ossos saem pela janela,
para certas sapatarias com cheiro de vinagre,
para ruas espantosas como rachaduras.

Há pássaros da cor de enxofre e horríveis intestinos
dependurados nas portas das casas que odeio,
há dentaduras esquecidas num café,
há espelhos
que devem ter chorado de vergonha e espanto,
há guarda-chuvas por toda parte, e venenos, e umbigos. 

Eu circulo com calma, com olhos, com sapatos,
com fúria, com esquecimento,
passo, cruzo oficinas e clínicas de ortopedia,
e pátios onde há roupas dependuradas num arame:
cuecas, toalhas e camisas que choram
lentas lágrimas sujas.

outubro 05, 2010

Autógrafos do blog — Helaine Oliveira

(Clicar na imagem para ampliá-la).
Iniciamos nesta data a publicação de uma série de publicações de autógrafos. Cada convidado — amigo, personalidade cultural, poeta — irá responder a uma pergunta, de próprio punho, e iremos fazendo a publicação aqui no blog. Começamos com Helaine Oliveira, uma jovem de Brasília, que está sempre antenada com a cultura e que pretende seguir a carreira de roteirista.