agosto 08, 2012


Transfiro para cá a notícia do Yahoo sobre a 5ª edição da pesquisa "O livro no orçamento familiar". O demonstrativo na queda da aquisição de livro na faixa de renda das famílias altas demonstra o tendência do menosprezo à cultura e, consequentemente, às relações com a ética e engajamento com a história. Só podemos imaginar, diante desse quadro, o aumento da violência. No trânsito, nas famílias, nas ruas. Quanto menos cultura, maiores os gorilas.


"Aumentou a renda do brasileiro e as salas de aula das universidades estão cheias. O movimento, porém, não fez com que a população gastasse mais dinheiro com produtos de leitura.
Em 2002/2003, 40,66% dos domicílios brasileiros compraram algum tipo de material de leitura - jornais, revistas, livros não didáticos e didáticos, etc. Em 2008/2009, esse índice caiu para 36,16%.
Foi o que mostrou a 5ª edição da pesquisa O Livro no Orçamento Familiar, feita com base na Pesquisa de Orçamentos Familiares do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e apresentada nesta terça-feira pelo coordenador Kaizô Beltrão e por entidades do livro durante a Convenção Nacional de Livrarias.
Foram ouvidas 55 mil famílias em todo o País acerca de seus hábitos de consumo. Gasta-se mais, nesta ordem, com lazer dentro de casa, telefonia celular - que registrou crescimento de 97% -, lazer fora de casa e, por fim, material de leitura. Só este último grupo está em queda. Em 2002/2003 as famílias gastavam R$ 160 por ano com isso. Hoje, caiu para R$ 128. Outro dado curioso: na faixa das famílias com maior renda e instrução, menor é o crescimento do índice de compra de livro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo."