janeiro 12, 2017

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO


Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agoniaeditado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.

(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusive o perfil do próprio narrador, tolerante e compreensivo, mesmo se crítico não só do que está aí, mas consigo mesmo em suas idas e vindas. Este apanhado curto me proporcionou fruição pra valer da leitura. 

   Falar de mínimos senões, seria absolutamente impróprio diante da força do romance, marcado dramaticamente por virulentos apelos e frustrações da carne. 

                                            RADUAN NASSAR 



“Sob as sombras da agonia”, tão bem impresso e apresentado.  Já se vê pela orelha que material para romance não lhe faltaria, desde a vivência em nosso Nordeste às leituras.  O final vai num crescendo com o voyeurismo do personagem narrador (...), assim como um bem concebido resumo de suas memórias de Justina, Lavínia e tantos outros personagens ou situações nas últimas duas páginas. 

  João Almino



"Existem os casos, raros, em que a claridade do texto, o estilo, e a sedução da linguagem nos arrastam. Foi isto o que aconteceu com a leitura de SOB AS SOMBRAS DA AGONIA  - romance denso e suave, seco, existencialista e cortante. SOB AS SOMBRAS  já nasceu clássico. E assim deve ser visto pela crítica."

                                                                         DIMAS MACEDO 



Tão logo iniciamos a leitura de SOB AS SOMBRAS DA AGONIA, deparamo-nos com um texto no qual aflora a crítica social. O autor Wil Prado — ao falar de si, sua formação e preferências literárias — demonstra a influência de autores como Graciliano Ramos, Érico Veríssimo, Jorge Amado e José Lins do Rego. Com uma trama bem construída, personagens verossímeis e uma narrativa realista, o autor insere-se com muita personalidade no universo literário do romance, fixando a sua obra no contexto da prosa no Brasil.



HUGO PONTES, Jornal da Cidade.



“SOB AS SOMBRAS DA AGONIA”, de Wil Prado, é testemunha do que está acontecendo com a humanidade, muitas vezes sem que se perceba. Trata-se de um romance de grande teor crítico –social, uma espécie de catarse sem papas na língua, com imagens e cores cortantes que questionam a realidade e revelam, em toda plenitude, a condição humana, mostrando a degradação do homem, [...] fazendo sentir que viver é uma coisa quase sobrenatural, associados os personagens, psicologicamente abalados e/ou transformados, a sentimentos proibidos, o que torna o texto instigante, ao ressaltar o contraste entre os poderosos e os mais carentes, salientando os aspectos mais complexos, tanto visuais quanto sensoriais da existencialidade, comandados pelo ritmo de uma linguagem de grande vitalidade, para decifrar o labirinto de desilusões no seio da sociedade egoísta e cínica que só pensa em si.

     Escrito num tom quase confessional, é uma espécie de manifesto de resistência ao cotidiano perverso, resgatando imagens como se fora um voyeur das vicissitudes que a vida nos impõe, todos os dias, sem esquecer, é claro, das pequenas satisfações que ela, a vida, nos proporciona, tendo como combustível o lírico-amoroso de cenas erótico-sensuais de tirar os puritanos do sério.

     Enfim, o livro dá um show descritivo, dentro da narrativa, visando a aplacar as dores do dia a dia. Por último, achamos ainda que é necessário, também, mencionar que o autor circula por todos os gêneros literários, engrandecendo todos eles com inusitada proficiência e enaltecedora perspicácia!

Silvério da Costa