Pular para o conteúdo principal

Lêdo Ivo



Faleceu neste domingo (23), aos 88 anos, durante uma viagem à Espanha, o poeta brasileiro Lêdo Ivo.
Não é um poeta popular, mas bem poderia ser, pois de expressão lírica, de profundo enraizamento na realidade e na vida.
De uma vasta obra, que perpassou pela Geração de 45,  mas interligada com a lírica universal, Lêdo Ivo, de Alagoas, teve ótimas relações com Brasília. Participou de encontros de escritores na cidade, manteve correspondência com vários escritores brasilienses e Antonio Miranda, ainda agora em 2012, publicou pela Poexílio, o livro inédito dele Poesia Breve (ver e-book), em tiragem numerada, de luxo.
Na década de 70, saí de casa, para encontrá-lo num encontro de escritores para pegar um autógrafo. Voltei sem pedi-lo, pois, ele, no auge de sua produção, conquistando os prêmios de poesia mais importantes daquela época, voluntarioso, cercado pela nata dos poetas; eu, poeta inédito, preferi não me acercar dele. E, com isso, foi um dos raros poetas que admiro, ao longo destes últimos anos, de que não aproximei para expressar a minha admiração. Aqui tenho as minhas fotos com Manoel de Barros, com Adélia Prado, as minhas cartas de Drummond, de Zila Mamede, os meus autógrafos de Ferreira Gullar e Thiago de Mello e Juan Gelman, e de muitos outros. 
Mas, onde ele estiver, saiba, que leio sempre a sua obra e a admiro.

Canto Grande

Não tenho mais canções de amor.
Joguei tudo pela janela.
Em companhia da linguagem
fiquei, e o mundo se elucida.

Do mar guardei a melhor onda
que é menos móvel que o amor.
E da vida, guardei a dor
de todos os que estão sofrendo.

Sou um homem que perdeu tudo
mas criou a realidade,
fogueira de imagens, depósito
de coisas que jamais explodem.

De tudo quero o essencial:
o aqueduto de uma cidade,
rodovia do litoral,
o refluxo de uma palavra.

Longe dos céus, mesmo dos próximos,
e perto dos confins da terra,
aqui estou. Minha canção
enfrenta o inverno, é de concreto.

Meu coração está batendo
sua canção de amor maior.
Bate por toda a humanidade,
em verdade não estou só.

Posso agora comunicar-me
e sei que o mundo é muito grande.
Pela mão, levam-me as palavras
a geografias absolutas
.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…