Pular para o conteúdo principal

TV Justiça

Concedi uma entrevista à TV Justiça, para o progtama Iluminuras. Deixo aqui as respostas para a pré-produçao da entrevista. Assim que tiver o link do vídeo, divulgarei aqui. 
Qual é sua formação? E sua ocupação atual?
Sou formado em Comunicação Social, pelo CEUB. Sou concursado do antigo DASP para a àrea de Comunicação Social, e acabei me especializando em processo legislativo, pois sempre trabalhei em relações com o Congresso Nacional. Atualmente, sou o chefe da Assessoria para Acompanhamento Parlamentar, do Ministério da Fazenda, que é o meu órgão de origem.

- Qual é o primeiro livro que você se lembra de ter lido e a impressão que teve dele?
É difícil remontar a história da minha primeira experiência de leitura. Fui alfabetizado em casa, começando às minhas leituras por livros de cordel, ainda criança. Talvez o primeira livro de literatura que eu tenha lido tenha sido Iracema, de José de Alencar. Mas desde o início já me encanta a própria trama dos livros. Até livros de história eu leio como algo romanesco, pois tudo, neste mundo parece fictício. Ainda recentemente, li um livro de história da Segunda Guerra Mundial e julgava, enquanto lia, que aquilo tudo, seis mil blindados no confronto de Stalingrado, só poderia ser algo de ficção científica.

- Onde você nasceu? Sua cultura lhe influenciou nas primeiras leituras?
Nasci numa pequena fazenda, sem muitos recursos, na beira do rio Calvo, no município de Silvania. Mudamos para Silvania quando eu tinha doze anos. Como eu estava alfabetizado, tive logo contato com a biblioteca pública da cidade. Onde estavam poetas brasileiros, sobretudo Manuel Bandeira e Cassiano Ricardo. E também alguns parnasianos. Mas o que me ajudou muito foram as minhas próprias ações. Eu precisava de leitura para preencher minha solidão. Um comerciante assinava jornais para fazer papel de embrulho. Eu me propus a buscar os jornais na agência, e em troca lia os jornais. Assim lia jornais de São Paulo e Rio de Janeiro.

- E a paixão pelas letras, de onde veio?
Começar a escrever veio dos próprios desafios pessoais. Um andarilho lançou um jornal na cidade e eu, lendo poesia quase todos os dias, desejei publicar um poema naquele jornal. Devia estar com uns dezesseis anos. O poema foi publicado. Como fui aclamado poeta, a poesia passou a integrar as minhas atividades cotidianas. Para começar a publicar poemas em suplementos de Goiânia, foi um pulo. E nunca deixei de me relacionar com pessoas ligadas à cultura. Em Silvania, ainda jovem, conversava com os notáveis da cidade, que se preocupavam com a cultura ou escreviam poesia ou outros textos. Em Brasília, assim que cheguei, procurei me relacionar com escritores e a frequentar a Associação Nacional de Escritores. Além do mais, sempre me correspondia com autores de todo o país. É necessário ter vontade de fazer.

- O que gosta de ler? (contos, crônicas, poesias?)
Gostos de ler todos os gêneros. Principalmente os clássicos. Hoje gosto de textos inteligentes. Em cada época estamos preparados para determinada leitura. Não podemos ler Proust aos 15 anos. 

- Quais autores você mais lê?
Em poesia: Rilke, Fernando Pessoa, Kavafis. Em Ficção: tenho sempre ansiedade de reler Dostóievski, Melville, Mahfuz. E uma centena de outros.

- Fale um pouco sobre o processo de criação de seu livro?
O meu processo de criação foi evoluindo ao longo de minha vida. No início, era uma criação introspectiva, ligada às impressões pessoais aliadas á realidade. Agora, aliou-se a este processo a necessidade de infinita reescritura. Parece que o poema demora a ficar pronto.

- Tem outra obra a caminho?
Está quase pronta. É um novo livro de poemas. Um livro grande, bem maduro. Tabua da memória é seu título. Trabalha com a questão da linguagem das redes sociais e das questões da história atual, sobretudo urbanas.

- Qual tema mais te agrada tratar em sua obras e por que?
Tenho grande dificuldade com a lírica amorosa. Essa falsa lírica mata a maioria dos poetas brasileiros. A verdadeira poesia trata da realidade, da metafísica. A poesia é o formato de transgressão do cotidiano.

- Alguma peculiaridade em sua carreira?
Não vejo algo que sobressaia excessivamente na minha carreira. Ou se existe uma carreira. Ainda sou pouco lido. Apesar de a rede social vir auxiliando na melhor exposição de meu trabalho. Saí de uma poesia ligada às origens para chegar a um texto mais denso, neobarroco. E isso tem trazido mais receptividade ao meu trabalho.

- Você gostaria de acrescentar mais alguma informação/fato curioso?
A literatura é um formato de expansão da vida, sobretudo pela intensidade das amizades. O prazer de ler esta sempre aliado ao prazer da amizade, pois precisamos partilhar a experiência de viver, aí incluída a experiência da leitura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…