Pular para o conteúdo principal

Enquanto o engano

Continuo no ponto de espera enquanto
há o engano na duração de uma lua
com a extinção da água na cornucópia de Orfeu
Nos barris negros enquanto não foram vapor
e nem me interpor nas curvas das assinaturas
entre os acordos das coordenadas
Na fixação do rosto na podridão do assédio
e ser assaltado pelo despudor da falha dentária

To be/não me engano com a mão
empurrada para o vértice das pernas
enquanto se apresentam as moscas sicilianas
que vieram de um diálogo do filme de Losey
Não me engano pela troca da espingarda
pelos acres de terra/ficar este ser
sem onde atirar/mirar ao Norte
entre os saltos das ondas do bestiário

Não é por ludíbrio que todos se ausentam
Talvez por conhecer os estirões nos joelhos
a desnecessária vara do pau-de-arara
Talvez pelo balde vazio/pela covardia
de não se mover no engarrafamento
Acreditar-se com a riqueza enviada
pelas barreiras do câmbio suíço
e ter de balançar o berço de talas do Calvário

Curto meu ócio/minha viagem habitada por bivalves
que ofuscam as vulvas do significado
Aguardo desde o movimento boreal
Desde a constância da eliminação do adversário
A minha estrada não é aquela em ponho meus pés
em que faço mira com minha espingarda
Em bocainas de secos mirtilos/sigo para povoar
o mundo com nossa falta de ovário

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…