Pular para o conteúdo principal

O que me enriquece

Quando terminamos um ciclo, seja de tempo ou de percurso entre um ponto e outro da territorialidade de existirmos, cumpre-nos avaliar o que fortalece ou empobrece a nossa existência. O que me empobrece está na minha impossibilidade de contribuir para que em todas as casas exista a ereção do espaço para que as pessoas construam a consciência do que são, através das marcas da cultura. Nunca me esqueço de uma casa de um bairro que esteve um dia em meu percurso. Atravessei-a, pois o único percurso era passar por dentro daquela casa. A família tinha apenas um banco em que sentar, e possivelmente só lhes resgatassem ficar silenciosos ao lado um do outro. Voltei neste ano a encontrar pessoas assim sentadas, sem poder contar com nenhuma compressão, de outros, de si, sem conseguir pensar por si o que está a acontecendo com elas. Mas sabem que estão amarradas a uma impossibilidade amarga. O maior desastre é não conseguir compreender a realidade que foi construída em volta de si. Deprimo-me quando colido com a realidade dessas pessoas. E tenho de colidir já que estão inscritas no meu percurso.
O que me enriquece está na amizade dos homens e dos livros. Neste ano, foi importante para a minha alegria que o amigo Wil Prado, enfim, publicasse o seu primeiro romance, e que tenha o autor me cedido a honra de apresentá-lo. Romance esse que mereceu um e-mail generoso de Raduan Nassar. Pude ainda ler as duas grandes sagas de Homero. Sai assustadoramente enriquecido. Não serei mais o mesmo e muito menos a minha poesia. Dos muitos livros de poesia lançados no Brasil, e nem tive acesso a todos, foi maravilhoso conhecer a poesia de José Inácio Vieira de Melo, de contatá-lo corpo a corpo. E, enfim, o susto de encontrar a perfeição no livro Zut, de Djami Sezostre, pseudônimo de Wlilmar Silva. O poeta alcançou se descolar da impossibilidade da linguagem. Tudo é possível, nele, com naturalidade. Ainda, entre tantos encontros que me tornaram um pouco mais completo, está conhecer, não in loco, mas em livro, a escultura L'impossible, de Maria Martins. Não tenho nenho intenção de ir aos EUA, mas essa peça está em Nova York, mas possivelmente não irei lá. Vale a fotografia da peça. Aqui vemos a antropofagia de sermos homens, esse  destino de nos sugarmos com a nossa agressividade, com a nossa incompletude, com a nossa fome do outro. Ela estará gravada sempre em mim, pontiagudamente.
Assim, vou terminando meu ano, com meus enganos, e com meus encontros com a perfeição.
Já preparo o próximo ano. Inicialmente, lerei toda a poesia de Herberto Helder. Depois, penso em reler A Montanha Mágica, e Thomas Mann. Mas qualquer outra imagem que estiver em meu percurso, seja um homem apequenado em sua casa, o jambo, a formiga pisada por uma garotinha, a chuva que voltará a se preparar numa próxima nuvem, será isso que me enriquece.
Só nos enrique aquilo que construímos com consciência. Se apossamos do que poderia enriquecer a capacidade do outro de compreender a realidade, de dela participar, ficamos, sim, prisioneiros de nossa consciência.
Não sejamos prisioneiros de nossa consciência, em 2017. Para isso, basta desempenharmos fielmente a obra, a missão que nos coube dentro da sociedade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…