Pular para o conteúdo principal

Cinen e senões!!!!

O novo mundo entra no mundo das olimpíadas.
Todo mundo agora nas pistas para quando chegar o dia
ganhar a medalha! Vai lá, Bizé!

Peço perdão àqueles mais assíduos a este blog,
como o amigo Robson Corrêa de Araújo,
por estar pensando pouco através dele!
Tenho lido (Saul Bellow, o Bellow pesado!),
e andado de ônibus com motoristas teimosos,
que acham que ninguém precisa ler.
Talvez seja a maneira dele se vingar:
por que alguém tem de viajar lendo
se ele tem de trabalhar em movimento, sem viajar!

Ah! uma proposta de lei de fomento à leitura:
quem estiver lendo no metrô ou no ônibus
tem direito à luz e também preferência de assento!
Acredito que todos vão carregar seu volumezinho para ter o assento assegurado!
Oh! Legisladores municipais! Tão aí ganhando dinheiro aí àtoa, senm pensar em lei e ainda sem ler?

E uma notícia amiga:
o amigo Cinen de Sousa, em comemoração aos 50 anos de vida,
vai publicar o livro
Breve exposição de motivos pra contemplar arco-íris.
E o charme, o meu orgulho, a minha genuflexão, o meu louvor, honor:
fui convidado a fazer a nota introdutória.
Ele trabalhou aqui na Thesaurus.
Um parágrafo do meu texto:

A imagem que retive de Cinen de Sousa é de uma criança que jamais envelhecerá. Sempre brincará de carretéis, sempre será aprendiz de passarinho. E terá amores adolescentes. Tanto Cinen de Sousa quanto a sua poesia contrariam todos: eles dizem e provam que o mundo não morrerá

Comentários

Robson disse…
A relação entre labirinto e conhecimento

A labirintite no paranoid park trás um elefante pro meu quarto, descascar uma laranja mecânica...non sugar blues, balancem suas tábuas com rodinhas, monossilábicos de olhos grandes limpos, não são alienados. Estão cansados de informação? É hora de trocar de Deus? Vamos ver quem manda a mensagem mais rápida.
A disciplina de Deus é preto no branco: por baixo desta máscara-51 tem um adolescente. As disto pias escarram os narizes das almas mortas, num retrato de artista. Como um guarda de idade fazendo uma parada suave.
Nunca deixe uma sequência mal executada passar, as imagens através dos retrovisores misturam cachorros com lagartixas, mas tem três sóis caindo, três luas subindo, e na frente um sinal amarelo não te faz parar... lugar mal, ou não lugar, não tem mais sentido, vamos ao park, tontos, e quem cair nos trilhos provavelmente vai ser partido ao meio.
Postado por Robson
Cinen de Sousa disse…
Se há alguém agradecido sou eu. Não somente pela apresentação, tão bem elaborada e feliz no meu livro comemorativo pelos meus cinqüenta anos, - Breve exposição de motivos pra contemplar Arco-íris. De maneira que, reservo-me o direito de declarar de público a alegria da afirmação da amizade sempre... Amém!

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…