março 11, 2011

Walt Whitman

CANTO DE MIM MESMO




52

O falcão pedrês desce veloz e acusa-me, queixa-se da minha tagarelice e                    
                                                                      /vagabundagem.

Eu também sou indomado e também intraduzível,
Faço soar meu grito selvagem sobre os telhados do mundo.

A última lufada do dia demora um pouco mais por mim,
E, real, joga a minha imagem depois das outras, nas sombras desérticas,
e seduz-me para a bruma e o anoitecer.

Parto como o ar, agito a cabeleira branca ao sol que se vai,
Espalho a minha carne em remoinhos, deixo-a seguir aos pedaços.

Entrego-me ao esterco para crescer da erva que amo,
Se de novo me quiseres, olha-me debaixo da sola das tuas botas.

Dificilmente saberás quem sou e o que penso,
No entanto, serei para ti a boa saúde,
E filtro e fibra para teu sangue.

Se não me encontrares da primeira vez, mantém a coragem,
Se eu não estiver num lugar, procura-me em outro,
Em algum lugar estarei à tua espera.

Nenhum comentário: