A palavra definitiva
na fala se ausenta,
contida de sombra,
da oitiva do palco e do véu.
Em partes as palavras
não se reconhecem.
Corpo que te distrais,
não me trazes um pedaço dos teus!

A renúncia interfere
e deixa indistinta a repetição
do gesto da dança na sombra,
do gosto do beijo no feto
da carne arrancada a custo
de rapinagem e desafeto.
Ainda que contradiga a afecção,
se tenho os joelhos, os cravos
a carne, a pelve fissurada,
não são meus.

Tremulo, cansado Prometeu,
cuidando do fígado,
ainda que atrás
de alguma porta de aço
o decreto não se defina
entre uma fala e outra,
para que tu, rapina,
coma os pedaços teus.

Comentários

Giovani Iemini disse…
cara, não acredito que eu não frequentava teu blog.
Salomão Sousa disse…
Obrigado pela viksita oa meu blog Safra quebrada!

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

ULISSES, de Tennyson