outubro 20, 2012

Ajuste com a infância através da leitura de André de Leones



Nesta manhã de sábado, enquanto aguardo o dia se ajustar ao horário de verão, repasso rapidamente o romance Dentes negros, de André de Leones. As imagens inseridas ao texto do livro, a busca de raízes, o percurso dos personagens num movie road, remetem-me a algumas reflexões da minha infância.
Mas ainda não será desta vez que irei abordar criticamente um livro de André de Leones (e já abordando!). Estas palavras é mais para dialogar comigo mesmo.
Talvez por sermos de Silvânia, prazerosa cidade histórica de Goiás, e eu e sua mãe termos vivido uma juventude de íntima e construtiva amizade, tive o privilégio de ter sido um dos primeiros leitores de um livro dele. Livro inédito, de poesia. Ele já vivia sua inquietude e sua busca, rumo à maturidade. Lembro-me de nosso encontro na casa de minha irmã.
Em Dentes negros, os personagens, mesmo apregoando que não tiveram infância, vão rememorando pequenos fatos, que não deixam de ser a formação de uma geração: a do próprio André de Leones, que perdeu a intimidade com ruas raízes para ativar a intimidade com o humano. Basta ver que as imagens integradas ao texto não trazem nenhum vulto de ser vivo. O que já comprova a mudança do formato de as gerações formarem as imagens da infância: os locais destas imagens de André de Leones, para mim, sempre aparecerão povoadas de pessoas, pássaros e outros animais da infância. E da própria maturidade, quando de meus retornos a estas paisagens. Acredito que eu não conseguiria flagrar estas paisagens de Dentes negros esvaziadas de humanidade. O esvaziamento das figuras da infância é um dos fatores da produção de rancor. Por isso eu digo que todas as contradições de minha infância e de minha juventude estão resolvidas: o bulling, a pobreza, a exploração do trabalho infantil, tudo. Insito: tudo isso está integrado à minha aprendizagem de nacionalidade e de minha própria personalidade.
A geração que veio com o surgimento da “geração tela” (só para usar da sabedoria de Harold Bloom) que é a de André de Leones , não tiveram e não terão a mesma formação das gerações anteriores. Aí as dificuldades de os personagens de Dentes negros se identificarem com o passado.  Dentro da velocidade, com espaços que sempre estão se modificando, sobra muito pouco tempo para a geração tela se deter no homem com contato visual e físico.
Dentes negros, e espero que assim seja com todos os futuros livros de André de Leones, é de temática atual, oportuno e que merece ser adotado nas escolas goianas, para que a juventude se veja e, assim, veja se é isto mesmo que quer. Só um autor desta geração que agora se forma para registrar as contradições do homem novo que vai se formando no país. A minha já está muito distante da infância para se aborrecer com as próprias origens, mas que mantém a esperança e a luta para que o homem do Planeta, do Brasil, das pequenas cidades silvanienses vá se formando com dignidade e ética, satisfeito consigo e com a nacionalidade.

Nenhum comentário: