Pular para o conteúdo principal
Em honra do que se perfilou
na primeira batalha, na audiência
que assistiu o último sermão,
mover-se para a Bizâncio
milenar, tantas vezes reconstruída
e renomeada. Por Constantino
das dominações perpétuas,
em cada cálice elevado nas assembleias,
turcos possantes para encher
o horizonte com altas abóbadas
distendem a tua fama pelos
territórios mutáveis dos séculos.
Subir as tuas vielas de puro manto
com ossos de ouro dos videntes.
Perpétuo orgulho do esplendor.
Na fortaleza, renovar a proteção
dos próximos acordos, isentos
de discórdia, de invasões, de guerreiros
envolvidos em areia de tormento.
Estocar a madeira de estender
a ponte, de vencer a truculência
do abismo e do gelo, desfile
das hordas das armadas.
Mover-se para calcificação
da vitória e da permanência da sombra,
em cada hora mudar o gesto,
alcançar outra aparência, de cicatrizes
que lembrarão novos gestos na paisagem.
Deixar um território sem destroços
em que outros circularão heróicos,
orgulho para a ordem da pele e da voz.
O pai que tossiu solitário
sem que a isca tenha sido perdida.
O que manteve a guarda ao balcão
em vigília ao estoque
de peças a todo instante reclamadas.
Dar audiência à voz do herói
que por mim morreu em Bizâncio,
na beira das capoeiras do rio dos Bois
estendeu sobre os lombos
a arreata em debruns de vernizes
cautelosos, nós resistentes
aos mais bruscos saltos.
Não falo por mim, mas pelos
heróis nus que ardem bem depois
dos ventos em ritornelo nalguma
angra, onde âncoras não descoram
no esquecimento de funduras de lama.
Onde não aguardam as naus
na veemência da podridão da madeira,
nas borradas linhas de fronteiras
os estrangeiros não oferecerão
os corações famintos às miras adversárias.
As naus circulam com a voz dos guerreiros,
dos descendentes, de engenhos
de ininterrupto moer.
Morrerá em mim o heroísmo
se afundar o barco vindo em fuga de Darfur.
Em que Bizâncio aguarda por mim
a batalha? Em que canal
a travessia para o desejo, a fundura
de ancorar-me com todas as cores
da bandeira de uma pátria?
A voz em mim é a voz do primeiro guerreiro.
O grão no armário, o cabelo luzente,
as palavras livres no parlatório.
O primeiro guerreiro me quebra arestas,
por mim seca a poça, assenta
a poeira, distende a fronteira.
Não há vitória, não há conquista,
dilação de fronteiras além de Bizâncio
àquele que só honra a inércia e o destroço.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…