junho 15, 2014

Em honra do que se perfilou
na primeira batalha, na audiência
que assistiu o último sermão,
mover-se para a Bizâncio
milenar, tantas vezes reconstruída
e renomeada. Por Constantino
das dominações perpétuas,
em cada cálice elevado nas assembleias,
turcos possantes para encher
o horizonte com altas abóbadas
distendem a tua fama pelos
territórios mutáveis dos séculos.
Subir as tuas vielas de puro manto
com ossos de ouro dos videntes.
Perpétuo orgulho do esplendor.
Na fortaleza, renovar a proteção
dos próximos acordos, isentos
de discórdia, de invasões, de guerreiros
envolvidos em areia de tormento.
Estocar a madeira de estender
a ponte, de vencer a truculência
do abismo e do gelo, desfile
das hordas das armadas.
Mover-se para calcificação
da vitória e da permanência da sombra,
em cada hora mudar o gesto,
alcançar outra aparência, de cicatrizes
que lembrarão novos gestos na paisagem.
Deixar um território sem destroços
em que outros circularão heróicos,
orgulho para a ordem da pele e da voz.
O pai que tossiu solitário
sem que a isca tenha sido perdida.
O que manteve a guarda ao balcão
em vigília ao estoque
de peças a todo instante reclamadas.
Dar audiência à voz do herói
que por mim morreu em Bizâncio,
na beira das capoeiras do rio dos Bois
estendeu sobre os lombos
a arreata em debruns de vernizes
cautelosos, nós resistentes
aos mais bruscos saltos.
Não falo por mim, mas pelos
heróis nus que ardem bem depois
dos ventos em ritornelo nalguma
angra, onde âncoras não descoram
no esquecimento de funduras de lama.
Onde não aguardam as naus
na veemência da podridão da madeira,
nas borradas linhas de fronteiras
os estrangeiros não oferecerão
os corações famintos às miras adversárias.
As naus circulam com a voz dos guerreiros,
dos descendentes, de engenhos
de ininterrupto moer.
Morrerá em mim o heroísmo
se afundar o barco vindo em fuga de Darfur.
Em que Bizâncio aguarda por mim
a batalha? Em que canal
a travessia para o desejo, a fundura
de ancorar-me com todas as cores
da bandeira de uma pátria?
A voz em mim é a voz do primeiro guerreiro.
O grão no armário, o cabelo luzente,
as palavras livres no parlatório.
O primeiro guerreiro me quebra arestas,
por mim seca a poça, assenta
a poeira, distende a fronteira.
Não há vitória, não há conquista,
dilação de fronteiras além de Bizâncio
àquele que só honra a inércia e o destroço.

Nenhum comentário: