Não te sentirás um ramo murcho
se junto às presenças tu respiras

Talvez até te indagues
pelas agitações quando conquistas
Pois honrado fostes desde o primeiro dia


Depois respiras com quem respira
Acendes na pira onde chama o fogo
e muitos gritos são teus convivas
Cuidas sempre de dedilhar a lira
O castelo não é para o desvario

Emerges quando algo se afoga
Dás algo de aurora, algo de folga
se os dias moem e moem contínuos
E buscarás outro pouco de pétala

se emurchece a rosa do primeiro dia

Há o primeiro dia de cardume
e a honradez perfumada dentro dos ossos
Para que não falte ar aos limões
e o cálice de estrume não falte às rosas —

contínuos há os dias de lutares

@ Salomão Sousa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

ULISSES, de Tennyson