Pular para o conteúdo principal

ALTIMAR PIMENTEL


Sempre que nos comovemos com a notícia de algum falecimento é sinal de que a pessoa estava inscrita entre aquelas especiais para nós. É assim com o caso de Altimar Pimentel, que faleceu agora em 21 de fevereiro de 2008. Podíamos ficar anos sem nos falarmos, principalmente em razão da distância territorial que nos separava (eu em Brasília e ele na Paraíba), mas nos sabíamos próximos na amizade.

Cursamos juntos Jornalismo no CEUB. Ainda me lembro da montagem de um texto dele como trabalho em uma das disciplinas. Tudo muito divertido — havia uma cena em que assávamos churrasquinho de mãe.

Deixo aqui o texto que o portal da Paraíba publicou no dia do seu falecimento.


"O escritor, teatrólogo, folclorista e professor aposentado da UFPB Altimar de Alencar Pimentel, aos 71 anos, morreu às 18h30 desta quinta-feira (21), no Hospital da Unimed, em João Pessoa, onde estava internado desde a última sexta-feira e morreu de complicações renais.
O corpo está sendo velado na Academia Paraibana de Letras, na Rua Duque de Caxias, em João Pessoa. O enterro será às 10h desta sexta-feira, no cemitério de Santa Catarina, no bairro Treze de Maio, na Capital paraibana.
Altimar Pimentel nasceu no dia 30 de outubro de 1936, na cidade de Maceió, AL. Concluiu o curso de Licenciatura em Letras na Universidade Federal da Paraíba, em 1971 e Centro de Ensino Unificado de Brasília (CEUB), fez bacharelado em Comunicação Social – Jornalismo, em 1976.
Em 1978 fez curso de especialização em Direção Teatral na Federação das Escolas Isoladas do Rio de Janeiro e na Universidade Federal da Paraíba. Dedicou boa parte de sua vida ao teatro.
Como teatrólogo é autor de inúmeras peças, muitas delas consagradas nacionalmente, entre elas: “Alamoa”, adaptação de “Coiteiros”, “Cemitério das Juremas”, a “Última Lingada”. Presidente da Comissão Paraibana de Folclore, Altimar Pimentel publicou 17 livros sobre temas folclóricos. Dedica-se, também, à história paraibana, com vários livros publicados, o último dos quais – Cabedelo – alcançou grande receptividade nos meios culturais.
Exerceu inúmeras funções, entre elas: diretor do Teatro Santa Roza (João Pessoa); na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), além de professor, foi diretor do Departamento de Extensão Cultural da Paraíba, coordenador do Núcleo de Pesquisa e Documentação de Cultura Popular (NUPPO) e assessor cultural da Pró-Reitoria para Assuntos Comunitários; diretor da Rádio Correio da Paraíba, assessor cultural do Instituto Nacional do Livro (Rio de Janeiro), assessor administrativo da Câmara dos Deputados (Brasília, 1980), membro do Conselho Estadual de Cultura da Paraíba (1963) e Membro do Conselho Fiscal e sócio fundador da Associação dos Dramaturgos do Nordeste e Membro da Academia Paraibana de Letras."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…