enquanto arrumas emprego
o louco grita próximos aos escritórios
procura por lentes de extinguir
os empórios da febre
a boca pronta para a mordida

já que o louco não é um bicho
talvez pudésseis lhe dar um prego
o louco martelaria com cabeça
afunelaria o vão na parede
por que não oferecer
os lábios em que ferrar a mordida?

em que acreditas, se não vês o louco?
talvez acredites no equilíbrio do pássaro
ou em qualquer outra insânia
veja na bifurcação da Divinéia
ou no rouco molejo da cama
da rua que tu achas que existe

a mãe do louco bate nas portas
com chocalhos de escaravelhos
leva dádivas de pães caseiros
e em seguida também enlouquece
blasfema ameaça à distância
com o muque e facões velhos

cansados da insanidade
se deixam debaixo dos oleandros
e divertem-se com o sabiá-da-terra
riem enquanto pássaro
abaixa e eleva a cauda
e espreita aquela paz de mãe e filho

se há pregos velhos
colecionam-nos esfuziantes
em montes com cabeça e sem cabeça
se há frutos colhem-nos
ofertam-nos aos transeuntes

calados os gritos do louco
enquanto procuras o prego?
enquanto andas numa rua que inexiste
ah! diálogo debaixo dos oleandros
pura penugem num caule em Anshan

@ Salomão Sousa

Comentários

"...pura penugem num caule da persa"

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

ULISSES, de Tennyson