Pular para o conteúdo principal
Agradeço ao Euler Belém o comentário que faz na edição desta semana do "Jornal Opção", em sua coluna Imprensa sobre o meu livro Momento Crítico:

O não-im­pres­sio­nis­mo de um crí­ti­co ta­len­to­so e nada academicista

O es­cri­tor e crí­ti­co li­te­rá­rio Sa­lo­mão Sou­sa lan­çou em Go­i­â­nia, no sá­ba­do, 10, na Li­vra­ria Lei­tu­ra, o li­vro “Mo­men­to Crí­ti­co”.

Sa­lo­mão diz que se tra­ta de crí­ti­ca im­pres­sio­nis­ta. Não é. Dos crí­ti­cos que não es­tão na uni­ver­si­da­de, Sa­lo­mão é um dos mais es­tu­di­o­sos e de­di­ca­dos, e sa­be, co­mo ra­ros, fa­zer a pon­te en­tre a crí­ti­ca aca­dê­mi­ca e a não-aca­dê­mi­ca. Nou­tras pa­la­vras, alia o ri­gor crí­ti­co, por sua con­ta de sua for­ma­ção ri­go­ro­sa, com a fa­ci­li­da­de pa­ra es­cre­ver sem usar a lin­gua­gem-pe­dre­gu­lho de al­guns pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­rios. Há mui­to mais crí­ti­ca im­pres­sio­nis­ta na uni­ver­si­da­de, tra­ves­ti­da de mé­to­do, do que se cos­tu­ma pen­sar. Al­gu­mas ve­zes, há mui­to mais pers­pi­cá­cia ana­lí­ti­ca na crí­ti­ca ti­da co­mo im­pres­sio­nis­ta do que se ima­gi­na e não mui­to ra­ra­men­te a crí­ti­ca im­pres­sio­nis­ta, des­co­bri­do­ra de no­vos ca­mi­nhos, é apro­pria­da e re­fi­na­da pe­los “reis do mé­to­do”.

Re­co­lho tre­cho ex­tra­í­do por Sa­lo­mão de um ro­man­ce do gran­de Knut Ham­sum (tor­nou-se exe­cra­do por não ser de es­quer­da): “Quan­do che­ga a ve­lhi­ce, dei­xa­mos de vi­ver o pre­sen­te e pas­sa­mos a vi­ver de re­cor­da­ções. Che­ga­mos co­mo uma car­ta ao seu des­ti­no; dei­xa­mos de ter ca­mi­nho a per­cor­rer. Res­ta-nos, uni­ca­men­te, sa­ber se a nos­sa pas­sa­gem pe­lo mun­do de­sen­ca­de­ou tur­bi­lhões de pe­nas e ale­gri­as, ou se a nos­sa vi­da nos dei­xou uma úni­ca sen­sa­ção”.

A crí­ti­ca de Sa­lo­mão é vi­va, pre­sen­te, par­ti­ci­pan­te. Não en­ve­lhe­ceu. Por quê? Por­que, lon­ge de co­zi­nhar mé­to­dos, que en­ve­lhe­cem mais do que a li­te­ra­tu­ra, tra­ta, pro­xi­ma­men­te, de li­te­ra­tu­ra. Não se tra­ta de um crí­ti­co que fi­ca len­do ape­nas crí­ti­ca, com o ob­je­ti­vo de ba­li­zar sua lei­tu­ra. Tra­ta-se de crí­ti­co que lê e in­ter­pre­ta li­te­ra­tu­ra. É seu gran­de trun­fo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…