Saudação 2010

Estaremos com os homens da fina civilidade,
que aplainam onde há a discórdia,
onde há a suspeita,
e a madeira é fértil. Trabalharemos
com a facilidade da ternura.
Estes homens são os que pousam
uma mão e outra mão
e os olhos e as línguas.
Estes homens somos nós,
que temos uma casa,
uma cidade, um País.
Estaremos com os homens
limpos limpos diante das câmeras,
dos lápis da História.
Estes homens somos nós,
os homens em tecnicolor.
Estaremos com os homens
que são de fogo,
da pura lenha aceita pelo sol.
Não iremos nos esconder
fora das fronteiras.
Estaremos nas praças,
nos baldrames, a esbanjar
companhia.
Não teremos tumbas
de vergonhas para tampar,
não teremos de disfarçar crimes,
de gerar artifícios para passar impunes.
Seremos os homens
que vão ao pré-sal,
ao fundo do coração.
Estaremos com os homens de mãos limpas
As mãos limpas vão tocar as obras.
As mãos limpas vão se tocar com fascínio.
Estes homens somos nós.
Seremos os homens da civilidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

ULISSES, de Tennyson