agosto 02, 2011

Fernanda Cruz

Acabo de receber, por email, um poema de Fernanda Cruz, poeta amiga, de Goiás, a terra iluminada de Wesley Peres, Edmar Guimarães, José Décio Filho, José Godoy Garcia, e outros tantos poetas.
Fernanda, obrigado;

Salomão...
Saudações poéticas!
Um abraço, querido.
Fernanda. 

QUIETUDE

o que desenha a quietude
o traço lento, sua substância
na extensa varanda da minha infância?

talvez o corpo da minha sombra
a procurar o meu gesto na parede
procura o rosto que nunca teve

os pátios os quintais onde germina
o universo, os rumores do vento
com as canções que tem dentro

e a imagem do meu sorriso
espalhada, mirada no que aconteceu
o universo é um verso meu

na luz, no vidro das janelas
ali esqueci aberto o infinito
e as constelações do meu grito
 

Nenhum comentário: