Pular para o conteúdo principal

Octavio Paz versus Chico Buarque

Assim que foi lannçado, ouvi o disco "Chico", de Chico Buarque. Um disco lírico, de andamento lento, bem distante da música rítmica, ágil das baladas atuais. Um disco bem de um voyeur, sobretudo das mulheres (tremeluzir da saia). Talvez isso — o excesso de poeticidade em conjunto com a lentidão rítimica — ainda tenha trazido ainda mais dificuldade para a voz do Chco Buarque. Acredito que é um disco que precisava de mais convidados para que os músicos, e o próprio Chico, ganhassem em soltura. O Chico cantor está preso e, com isso, os músicos também ficam presos. Não há a leveza que os jazzistas conseguem em seus discos.
Mas o Chico, só de de dizer que existe, não é um velho. A música do Chico nunca será velha para os seus amantes.  O que é seu velho, em arte? Ora, estar fora de seu tempo. Para a juventude, a música do Chico está velha, pois é uma juventude sem nenhuma causa, uma juventude só rítmica, movimento. E o Chico, não: é música. É palavra. Será que se aplica a ele o que Octávio Paz disse de José Vascocellos:

"Toda poesia se move entre esses dois pólos de inocência e consciência, solidão e comunhão. Nós, homens modernos, incapazes de inocência (a juventude de hoje talvez não venha nunca a saber o que é comunhão, observação minha), nascidos em uma sociedade que naturalmente nos torna artificiais e que nos despeu de nossa substância humana para nos converter em mercadoria, nós, honmens modernos, buscamos em vão o homem perdido, o homem inocente. Todos os esforços valentes de nossa cultura, desde o final de século XIX, estão direcionados para recuperá-lo, para sonhar com ele. Rousseau o buscou no passado, como os românticos; alguns poetas modernos no homem primitivo; Karl Marx, o mais profundo, dedicou sua vida a construí-lo, a recriá-lo... A poesia, dando voz a esses sonhos, nos convida à rebelião, a viver nossos sonhos enquanto estamos despertos. Isso aponta o caminho para a futura era dourada e nos intima à liberdade".

Octavio Paz já antecipou em outro texto: o homem moderno (jovem) não pratica mais a revolução ou a rebelião, mas só a rebeldia.

A cada dia que passa, amo mais Chico Buarque e amo mais Octavio Paz. Esse mundo só velocidade nos tira a poesia e, consequentemente, a liberdade, pois estamos sendo sendo empurrados para onde nem desejávamos.   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…