Pular para o conteúdo principal

Jonatham Franzen

Estou um pouco sumido daqui do blog, mas a cultura está fervilhando em minha cabeça. Primeiramente, a frustração do cancelamento da Bienal Internacional de Poesia. Agora terei de encontraroutra saída para a antologia da poesia goiana, que organizei para o abortado evento. A antologia está pronta. Agora vamos precisar de outro patrocínio ou de alguma editora encampar a publicação. Vou ver isso com  calma, e aceitamos indicações de soluções. Não foi culpa do Antonio Miranda, mas de visões caolhas da administração.

Vi poucos filmes. "Árvore da vida", de Malick, é frustrante. Não merecia estar em Cannes. Imagens desconexas, roteiro que não sabe o que quer: misticismo ou crítica à família. Li um livro de Amin Malhouf. Líbio residente em Paris. Ver como outras culturas  pensam a organização do mundo. Só a visão americana ofusca a forma de como a humanidade deseja o domínio econômico e as relações internacionais.

Finalmente, li o aclamado "Liberdade", de Jonathan Franzen. Romance caudaloso (605 páginas) sobre a fragmentação da sociedade americana. Não só da sociedade — de sua cultura. O livro mostra como a forma de ser realista de composição romanesca mudou. Venho brigando: sem conhecer a sociedade não é possível escrever. E Franzen conhece. Às vezes pisa na bola: no momento em que vai escrever sobre gerações anteriores, continua no mesmo tratamento que dá aos aspectos contemporâneoas. Mas é um autor oportuno e importante — não tem como deixar de reconhecer. Vou agora passar para a leitura do seu livro anterior — "As correções", que é considerado a sua obra prima. Se é assim, Franzen vai muito bem. Ainda mais para um autor novo: 42 anos. Em alguns momentos a tradução escorrega, mas a própria formatação do estilo, que está preocupado em mostrar a deterioração da linguagem, também complica ou mascara o trabalho do tradutor. Mas há erros na edição, que merecem "correções" em edições futuras. Umas duas que assinalei, só para encher o saco: "Mas pode dizer que antecipar" (pg 362) — a frase não pode ser esta, pois está totalmente sem conecção; "E provavelmete conseguir" (pg 161) — anotei esta, mas a frase está correta, só que a tradição do português recomenda as vírgulas. Acabei não assinalando outros exemplos... Mas são muitos, sobretudo a falta de ajuste às tradições do português em nome à fidelidade do original. Muita coisa não funcionou bem. Mas é um romance de extraordinária oportunidade. Vai ter o seu espaço e merece leitura.    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…