Os pequenos aprendizes de poesia

Recebi o seguinte e-mail de minha amiga Marta Teixeira:

Os Poetas

O Eduardo tinha que fazer uma poesia para a Escola.
Então resolvi visitar um poeta de verdade (Salomão Sousa). Levei comigo dois seguidores e aprendizes de poeta: Eduardo e Lucca - embora contra a vontade deles que queriam o vídeo game.
Salomão ensinou que a poesia pode brotar de qualquer coisa: da lua, da cachoeira, da janela do carro. Qualquer coisa.
Coloquei o jantar em casa para os dois meninos - escondidinho de carne moída.
E iniciei a conversa:
Que tal a gente fazer uma poesia? Pode ser para o escondidinho, que já ganhou o título.
Lucca engrenou logo os três primeiros versos. Eduardo continuou. Tira dali, tira daqui, veja o que sobrou:

Escondidinho

Pega carne
Pega batata
Acho que bate
Amassa batata
Faz o purê
Bota no fundo
Pega carne
Bota no meio
Pega o purê
Bota em cima
Tudo isso em uma grande forma
Que  bota no forno
Assa correndo
Espera faminto
Bota no prato
Tudo quentinho
Hum!!!
Que delícia!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

ULISSES, de Tennyson