Pular para o conteúdo principal

Memórias de Nilto Maciel



Quase mensalmente tenho recebido um livro novo de Nilto Maciel. Pensando bem: escrevi pouco (quase nada) sobre esta obra que já goza de espaço no registro da literatura brasileiro, mas ainda sem leitores. Ela tem sido lida quase que só pelos confrades. O que é uma pena, pois se trata de produção que goza de desenvoltura e de consciência inigualáveis. E ainda não será desta vez que irei fazer um artigo ou resenha sobre a obra de Nilto Maciel. Será apenas um registro circunstacial, de lembrança e memória de um amigo.
Um destes livros que ele me mandou é "Menos vivi do que fiei palavras". É de um sinceridade rara, que raia o perigo. Basta ver uma frase no prímeiro capítulo sobre o livro Os morcegos, do meu amigo José Godoy Garcia. "Nenhuma literatura sobrevive (...) se o escritor se deixa enlear nas malhas das circunstâncias". Nesta época, já alertávamos ao Godoy para o perigo de deixar explícitaa a crítica poética a figuras políticas do período (Kissiger, Delfim). Mas muitos registros foram mantidos no livro. O importante, no entanto, é que Godoy sobrevive. Muitos autores mencionados por Nilto Maciel, todos de seu convívio, acabaram num permanente limbo. Li e abono todos os seus registros.
É esta espontaneidade sábia que está faltando à crítica e ao jornalismo. Esta espontaneidade que alimenta e instiga a produção literária. 
Só fiquei pesaroso porque ele terá descartado de seus diários as referências à nossa convivência e, talvez, à minha poesia.Talvez estas referências não existam.  No período retratado (1986/1992), eu não publiquei  nenhum livro, apenas o livro Falo, que pode não ter coincidido com o inídio de seus diários. E há que ressalvar que ele não se atém ao cotidiano. Garimpou em seus diários apenas as referências às leituras e à literatura produzida em seu tempo. E, neste período, era habitual eu visitá-lo, oportunidade em que conversávamos enquanto meus filhos brinvacam com suas filhas - pequenas Iracemas traquinas em Taguatinga Norte.
Tenho muitas saudades do Nilto Maciel, do nosso convívio, pois a sua sagacidade alimenta os amigos. Conheço muitos diários. De Lúcio Cardoso, Gide, as memórias de Chateaubriand. Nilto: assim retrabalhadas, as suas só enriquecem um período da literatura brasileira. Um período que julgo estranho, pois tínhamos saído do boom da literatura latinoamericanas, sobretudo no conto e no romance, e a poesia não sabia se se enveredava pelo marginal ou pelo concretismo. E aí entra o seu pente fino arrancando com duras garras um estudo que nasce clássico.
Baturité, o abraço do amigo. Você sabe, né?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…