Pular para o conteúdo principal
Enquanto estou organizando o lançamento do meu Safra quebrada, dia 15, a partir das 19 horas (Carpe Diem, 104 Sul), aproveito para traduzir um poema de Vicente Alexandre. Com a tradução, sinto-me menos inoperante e mais próximo da poesia. Sempre me encantou a poesia deste pr^mio Nobel da Espanha. É uma poesia cheia de cintilações. Pois a vida não é só a ordem, às vezes ocorre ao mesmo tempo o lagarto, o vômito e o beijo.


A felicidade

Vicente Alexandre

Não. Basta!
Basta para sempre.
Fuja, fuja; só quero,
só quero a tua morte cotidiana.

O busto erguido, a terrível coluna,
o colo febril, a convocação dos carvalhos,
as mãos que são pedra, lua de pedra surda
e o ventre que é sol, o único extinto sol.

Seja erva! Erva ressecada, raízes amarradas,
folhagem nos músculos onde nem os vermes vivem,
pois a terra nem pode ser grata aos lábios,
a esses que foram, sim, caracóis do úmido.

Matar a ti, pé imenso, gesso esculpido,
pé triturado dias e dias enquanto os olhos sonham,
enquanto há uma paisagem azul cálida e nova
onde uma menina íntegra se banha sem espuma.

Matar a ti, coagulação completa, forma ou montículo,
matéria vil, vomitação ou escárnio,
palavra que pendente de uns lábios roxos
vem dependurada na morte putrefata ou o beijo.

Não. Não!
Ter-te aqui, coração que pulsou entre meus dentes enormes,
em meus dentes ou cravos amorosos ou dardos,
o tremular de tua carne quando jazia inerte
como o vivaz lagarto que se beija e se beija.

Tua catarata de números,
catarata de mãos de mulher com argolas,
catarata de pingentes os cabelos se protegem,
onde opalas ou olhos estão aveludados,
onde as mesmas unhas se guardam entre encaixes.

Morre, morre como o clamor da terra estéril,
como a tartaruga esmagada por um pé desprotegido,
pé ferido cujo sangue, sangue fresco e novíssimo
quer correr e ser como um rio nascente.

Canto o céu feliz, o azul que se desponta,
canto a felicidade de amar doces criaturas,
De amar o que nasce sobre as pedras limpas,
agua, flor, folha, sede, lâmina, rio ou vento,
amorosa presença de um dia que sei existe.

Comentários

publiquei o ESCUTA ZÉ NINGUEM!
ESTÁ COM O TÍTULO:À NÓS OS ZÉS...
da uma olhada e faça um comentário!
Herondes Cezar disse…
Na poesia de Salomão Sousa, a "natureza" está sempre presente.
Não como objeto de contemplação, simplesmente, mas na interação com a faina humana.
Com esta, justifico minha ausência no lançamento de Safra quebrada, por motivo de viagem.
Sucesso, Poeta!
Abraços
Herondes Cezar
Domingo, Maio 13, 2007
A vertical, deste horizonte



Meu amigo, aquele "peladeiro irresponsável" (e o faço sem sinais) chico da ana de holanda, estará na cidade no mesmo dia do lançamento do safra quebrada, livro do outro amigo SALOMÃO SOUSA (aquele que foi premiado com edição da 7 letras, RUÍNAS AO SOL...), o poeta que convida a terra para dançar em seus versos, não a terrinha, mas toda terra, portanto universal.
Fui premiado com os ingressos vips para ver o CHICO e o SALOMÃO, não é que estarei em dois lugares ao mesmo tempo, desta vez, pois já é possivel, mas minha THAÍS comprou os ingressos para o dia 16, já que dia 15, ás 19h, no CARPE DIEM da 104 sul, estaremos autografando o SAFRA QUEBRADA (..."sou co-autor"...pelas fotos..."), palavras do SALOMÃO: um livro que muito me alegra ter emprestado o olhar, pois rico é em imagens naturais da poesia brotando a flor da pele na colheita madura de quem lavrou com sangue e suor e não precisa de nenhum lorde para apresentá-lo. E este correio da manhã acorda com os pardais piando, dando nota de tijolo ao humus SAFRA QUEBRADA.
ACHO QUE VOU JOGAR NA PONTA DIREITA DESTA VEZ E CRUZAR PARA O PAGÃO MARCAR A MOÇA DE HOLANDA. O CHICO DEVE ESCALAR PARA JUNTOS DRIBLARMOS IN FINTA TODA ZAGA BRAzILIENSE...
e o "... caro amigo afonsinho continua aqui mesmo aperfeiçoando o imperfeito, dando um tempo dando um jeito, pois a perfeição é uma meta defendida pelo goleiro que joga na seleção e eu não sou pelé nem nada, se muito for sou um tostão..." SEM MAIS DELONGAS, A PARTIDA É ENCERRADA COM ESTE GOL DE PLAQUETE DO AVANTE SALOMÃO SOUSA :

A vida

Um longo monólogo
logo
sem nenhuma conclusão

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…