Pular para o conteúdo principal
Está acertado. Dia 30, em Silvânia, o lançamento do meu livro Safra Quebrada. O evento está sendo organizado pelo PALAS — entidade que agrega a boa juventude da cidade. Cada cidade brasileira devia ter um Edmar Cotrim!!!
Hoje, numa navegada pela intrenet, descobri um poema que Júlio Polidoro, bom poeta de Juiz de Fora (MG), dedicou a mim. O poema integra uma série de poemas dedicados a várias escritores brasileiros (Glauco Mattosos, Domingos Pellegrino, e.....). Obrigado, Júlio Polidoro.

COLETA

A
Salomão Sousa


Assina a ruga
essa rude instalação:
no corpo alquebrado
o rosto precário
e a rua
repleta de buracos.

E avenidas cortam,
novas, ao rincão
da pele, antes plana,
uma sucessão de quebra-molas.

Mil atalhos surgem
desde os cílios
e ladeiras íngremes
entornam
um rio de lágrimas
dos olhos.

Eis o tempo
e urge no meu rosto
a vital parcela do imposto
que esse mesmo tempo
agora cobra

Comentários

Anônimo disse…
Caro Salomão,
parabéns pela participação na Geografia Poética do DF. Obrigado por seu autográfo. Fico honrado em ter participado em meio a grandes poetas do DF.
Coloquei um "link" de meu blogue para sua página.
www.emversoeprosa.blogspot.com
Abraços,
marcos freitas.
Marcio disse…
Boa noite Salomão.
Sou o Márcio, marido da Larissa, que trabalhou contigo na assessoria parlamentar há vários anos atrás. Lhe devo a paixão por jazz. Temos uma nova filha, Alice, de cinco meses de idade (a Marina já tem dez anos).
Vi que houve uma sessão de filme japonês na sua casa. Além dos filmes do Kurosawa (tenho vários) guardo em casa "Bom Dia" do Yasujiro Ozu, acredito que o único lançamento em DVD dele (que eu considero o grande cineasta japonês, ao lado de Kurosawa - não consigo esquecer "Os Sete Samurais" - que me fez apaixonar por cinema). Estou à disposição para contribuir em novas sessões de cinema. Mande seu e-mail para eu enviar a lista completa de filmes, Cds e livros que possuo. Safra Quebrada terá lançamento em Brasília?
Um grande abraço,
Márcio Drago
Marcio disse…
Eu de novo. Já bebi algumas taças de vinho, mas não posso deixar de compartilhar contigo o show em DVD do Weather Report em 1976 no Festival de Monteux. Acabei de assistir, e apreciarei de novo.
Um abraço,
Márcio
QUERO FICAR NUM HOTEL COM PISCINA PARA AMANHECER NADANDO...

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…