fevereiro 16, 2014

Juan Ramón Jiménez


Para encerrar o fim de semana, fiz a tradução de mais um poema de Juan Ramón Jiménez. Estas traduções servem para me aproximar da poética deste grande poeta espanhol. Seus poemas são íntimos da vida e da natureza. Por isso, muito difícil entrar na sutileza de suas imagens. E difícil manter as suas rimas, por isso as raras traduções de seus poemas por aqui. E a preferência por Pedro Salinas e Lorca. O poema é do livro "Ruína":

Quem não tem um tesouro de nostalgia, de vida, 
de ilusão? Oh, este campo, esta humilde ribeira,
abertos à tarde suave e de luz acendida,
dourados de românticos sóis de primavera!

Em todos os lugares vibra um coração latente
a oferecer o bom fruto e o esplendor eterno;
este não é mais que o ocaso dolente
e a ultralegria dos céus de inverno.

São as mesmas estampas. O distante horizonte
nunca se acaba... E há, de luz um fiozinho,
um fantástico monte, para cada destino
uma rosa de ouro ao retomar o caminho.

Nenhum comentário: