Pular para o conteúdo principal

Poema para quem tem filho para sentar nos joelhos
e deseja deixar o legado de algum sentido
Há menos sentido no capítulo 73 de Rayuela
do que naquele que tem moedas só para um café
Há mais sentido na música no ouvido
do que em poder pagar pelo lanche
num balcão de rodoviária/e em assistir
aquele que não tem as moedas completas
para pedir um copo de refresco de máquina
Há mais sentido na leitura da Rosângela
do texto sofisticado na linha do tempo
/ela mesma! que tem parentesco com Antonio Vieira
e que chupou limas aromáticas sentada
nos joelhos dos pais em Minas/ 
do que a daquele que não levará o filho
ao balcão da rodoviária para leitura
da estratificação social
e nem irá sentar o filho nos joelhos
para lerem juntos o capítulo 73 de Cortázar
Talvez só vá sentar o pequeno filho ao volante
e explicar que o país deveria ter
mais quilômetros de asfalto
e a família poderia ter mais horas de voo 
e não fará a leitura sobre a redução das gramíneas
para as sementes de alimentação dos pássaros
Não verá sentido numa postagem
na linha do tempo com abordagem fria
e linear sobre o desânimo nos olhos em um balcão
Não vai curtir uma postagem com palavras frias
e menos compreenderá o fogo da rue Huchette
Quem ganha quase dois salários mínimos diários
não vê sentido na leitura da fome
que não esteja no próprio intestino
Não notará o amigo de a pé na rua, pode ser
Gabriel Nascente lembrando das toras
com os moventes dentes das serras dentro
pois sentou-se nos joelhos do pai marceneiro   
Não há sentido na que firma a asa da chávena
com o chá de apressar a digestão
Há menos sentido em mentiras com a ocultação
ao filho e no filtro da rua/do que convergir/
do que naquele que com o resto de fôlego
esfria o copo de café na rodoviária 
e o toma como refeição/sem saber de nenhum sentido

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…