Pular para o conteúdo principal

Walking Around


PABLO NERUDA

Tradução: Salomão Sousa


Acontece que me canso de ser homem.
Acontece que entro nas alfaiatarias e nos cinemas
cabisbaixo, impenetrável, como um cisne de feltro
navegando numa água original e cinza.

O cheiro dos salões de beleza me faz chorar aos gritos.
Quero apenas um descanso de pedra ou de lã,
quero apenas não ver estabelecimentos, nem jardins,
nem mercadorias, nem óculos, nem elevadores.

Acontece que me canso de meus pés e de minhas unhas
e de meu cabelo e de minha sombra.
Acontece que me canso de ser homem.

Seria sem dúvida prazeroso
assustar um notário com um lírio cortado
ou levar à morte uma monja com um puxão de orelha.
Seria belo
ir pelas ruas com um punhal verde
e dando gritos até morrer de frio.

Não quero continuar sendo raiz nas trevas,
vacilante, estendido, tiritando de sonho,
para baixo, nas tripas molhadas da terra,
absorvendo, pensando, e comendo a cada dia.

Não quero para mim tantas desgraças.
Não quero continuar como raiz e como tumba,
como subterrâneo, só, como um bar cheio de mortos
entorpecidos, a morrer de pena.

Por isso a segunda-feira queima como petróleo
quando me vê chegar com minha cara de cárcere
e chia ao escoar-se como uma roda ferida
e com passos de sangue quente ruma para a noite.

E me empurra para certos rincões, para certas casas úmidas,
para hospitais onde os ossos saem pela janela,
para certas sapatarias com cheiro de vinagre,
para ruas espantosas como rachaduras.

Há pássaros da cor de enxofre e horríveis intestinos
dependurados nas portas das casas que odeio,
há dentaduras esquecidas num café,
há espelhos
que devem ter chorado de vergonha e espanto,
há guarda-chuvas por toda parte, e venenos, e umbigos. 

Eu circulo com calma, com olhos, com sapatos,
com fúria, com esquecimento,
passo, cruzo oficinas e clínicas de ortopedia,
e pátios onde há roupas dependuradas num arame:
cuecas, toalhas e camisas que choram
lentas lágrimas sujas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…