Poema do cão

Sem muitas viagens

furações e velas

encontrarás no outro

a saliva amarga

a mordida ácida

a palavra amarga

tendo na própria boca a losna



Sem muitas viagens

remoções e brocas

encontrarás no outro

o canino agudo

a pesada pata

se com a própria boca rosnas

Comentários

Rodrigo Ferreira disse…
Olá Salomão! Belo poema, e bacana o seu blog. Poesia pra todos nós. Manda um abraço pro meu amigo Saulo. Tb tenho um blog. Se quiser dar uma passada por lá. Segue o endereço: http://cervejanocaneco.blogspot.com/
Grande Abraço!
Anna Alchuffi disse…
Belo poema, abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

ULISSES, de Tennyson