junho 30, 2012

W.J.Solha

Enquanto decido o que fazer deste sábado de sol e solidão, vou pagando umas dívidas literárias.
Na década de 80 (oh! quanto tempo!), nos encontros da livraria Literatura, extinta livraria Literatura, eu e Nilto Maciel, Emanuel Medeiros e José Sales e outros, e em outros locais de Brasília, sempre mencionávamos a existência ímpar do cearense W. J. Solha na literatura brasileira! Trata-se de uma literatura experimental, corajosa! Em março (mais um registro com excessivo atraso), ele me encaminhou o livro "Marco do mundo", um longo poema que se esgarça com a história do mundo e das viagens interiores do poeta. Ousadia pura! Foi editado também por uma pequena editora (Ideia). Antes de publicá-lo, Solha submeteu o original a vários escritores. Hildebrando Barbosa Filho, na primeira capa, diz: "Uma estranha, surpreendente e delirante bricolagem. A construção de Marco/Mundo me parece a própria elaboração do Marco/Poema." Acredito que a poesia começa onde há estes testes de experimentações. Solha, só olho contigo.  

Um trecho:

Tudo é uma roda
grande
rodando na roda
pequena.
Você já viu esta cena:
o céu numa poça rasa
milênios antes da Nasa.


Um comentário:

Anônimo disse...

Só a título de correção. W. J. Solha é de Sorocaba - SP, radicado na Paraíba.