Pular para o conteúdo principal
Envolvido com a organização do livro "SAFRA QUEBRADA", que vai englobar poemas de todos meus os livros que já publiquei (ver perfil), e um inédito (Gleba dos excluídos), acabei ficando algum tempo sem compor poemas. Bem ou mal, consegui organizar dois, que deixo aqui:

E se todos decidíssemos pela ausência?
Ficássemos quietos sem nenhum verso
os peixes secos
esquecidos na travessa

Ficássemos com a nádegas mofadas
capim assim torrando
sem que viessem os bafos das bocas
terras férteis sem chuva que as amoleçam

Fôssemos as histórias perdidas
se não vêm quem as ouça
e outro que nunca soube
do encontro que trouxemos tão perto

Estivéssemos onde nenhum herói aparece
nas esquinas onde os homens
não sabem qual será a conversa
Sermos a lua dispersa
o sol que não está mais no universo

Trava que se quebra
e nenhum rosto avança pela fresta
Fôssemos o que ria
entre os olhos que padecem
quando fossem as quedas
dos rubis adversos

Há as chamadas do sol, com as chamas zen.
Há as pontes, o alecrim
que outros inalam, longe.
Há as fugas, as fortes batidas do coração.
Enche-nos a vida quando
não estamos sem.
Inalam em nós, dentro,
nada que foi anjo. Talvez um filho,
um estranho de outras viagens.
Não dar por finda a corda
que se estira até o outro lado.
Não há o limbo, as portas descoradas,
só um território bem
animado pela paz.
Só iremos apanhar
se aproveitarmos a viagem,
as outras ternuras, chegar quem
irá inalar o cheiro de terra
bem nas nossas mãos.

Comentários

Rodrigo f disse…
Como sempre: belos poemas. "Fôssemos as histórias perdidas" ...Adorei!
Salomão.. obrigado pela visita. No momento estou tentando mudar o rumo do Blog... realmente está "non sense".

Estou pensando em fazer algo parecido com o seu... quer dizer, tentar fazer... com muito menos sofisticação. Teu blog me animou a escrever mais... assim como você, das coisas do meu dia a dia, dos livros que leio e filmes que vejo. Bom, se não tivesse visto o "Labirinto do Fauno", correria para ver só pelo seu texto.

Um grande abraço e muito obrigado!
Um dia nos vemos por aí!
MUITO BOM! -TEM COISA NOVA NO PUNCTUM...
Mão Branca disse…
Oi, Salomão.
Parabéns pela publicação.

Gostei do poema sobre a escolha das ausências. Talvez somente notanto a falta (de tudo, amor, profissão, objetivos) reconheçamos alguma presença.
"Sermos a lua dispersa
o sol que não está mais no universo"
Fera.
[]s

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…