Pular para o conteúdo principal

Eu estava pesquisando a história do grupo Weather Report, e bato de testa com a notícia da morte de Joe Zawinul ocorrida a quase um mês, em 11 de setembro. Passou tão desapercebida que não posso deixar de registrar aqui a morte desse jazzista que tanto prazer me dá com seus discos pessoais, com aqueles que gravou com o seu grupo Weather Report e mesmo com a participação em discos de Miles Davis, principalmente nos antológicos In a Silent a Way (que leva o título de uma música de sua autoria) e Bitches Brew. Ele é destas personalidades que surgem para mudar os tempos.

Aproveito aqui o texto de uma agência de notícias, da qual discordo apenas no que diz respeito à origem do jazz fusion. Para mim, o início se deu com In a silent way e não com Bitches Brew. E estes dois discos serviriam de base para tudo que o Weather Report, os grupos de Herbie Hancock e outros "funk" viriam a fazer depois.

VIENA - Morreu aos 75 anos, em Viena, Áustria, o tecladista de jazz Joe Zawinul, fundador, com Wayne Shorter, de um dos mais importantes grupos do gênero, o Weather Report, em 1970, banda que criaria o que ficou conhecido como jazz fusion. Zawinul foi eleito 30 vezes o melhor saxofonista do jazz pelos críticos da revista Down Beat (inclusive este ano). Ele morreu de uma forma rara de câncer de pele, segundo noticiou a agência de notícias APA. Joe Zawinul nasceu em 7 de julho de 1932 no tempo terrestre, e morreu em 11 de setembro de 2007 no tempo eterno. Ele vive para sempre", disse seu filho Eric. O austríaco Zawinul está na origem da fusion, que foi esboçada originalmente no disco Bitches Brew, de Miles Davis, em 1969, que aproximava o jazz do rock. A música do Weather Report sempre soa crua e no limite, e real", diz o saxofonista Joshua Redman, que tocou ontem em São Paulo. "E isso não acontece com a maior parte das outras músicas fusion, especialmente a fusion que veio depois do Weather Report. Nasceu em Viena, e cresceu num distrito operário da cidade, Erdberg, durante a era nazista. Seu primeiro instrumento foi o acordeão, antes de entrar para o Conservatório de Viena. Teve como amigos de juventude o ex-presidente austríaco Thomas Klestil e o pianista Friedrich Gulda. Em 1959, ganhou uma bolsa de estudos para o Berklee College of Music, em Boston, e a partir dali iniciou sua vida americana, junto aos grupos da cantora Dinah Washington e do saxofonista Cannonball Adderly. Uma vez, Miles Davis entrou no Birdland, em Nova York, decidido a contratá-lo. E o fez. Dez anos depois, Zawinul compôs In a Silent Way,que se tornou a faixa que catapultou o disco de Miles Davis em direção a um novo cruzamento entre jazz, rock R&B e funk. Muitos grupos surgiram a partir dali: Os Headhunters de Herbie Hancock, o grupo Lifetime de Tony Williams, o Return to Forever de Chick Corea e a Mahavishnu Orchestra de John McLaughlin. A música fusion acabou se tornando parte da música pop internacional nos anos seguintes. Com Wayne Shorter, Zawinul fundou o Weather Report, com o qual gravou 17 álbuns. Uma das canções do grupo, Birdland, ganhou Grammys em três décadas distintas - pela versão original e pelas gravações de Quincy Jones e Manhattan Transfer. Nos últimos 20 anos, ele tocava com seu próprio grupo, The Zawinul Syndicate, que esteve em Florianópolis num festival de jazz, em 1996, ao lado de Betty Carter e outros notáveis. Ele fundou um clube também chamado Birdland em sua Viena natal, onde tocava.O prefeito de Viena, Michael Haeupl, disse que o corpo de Zawinul seria sepultado com um funeral de honras em Viena.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…