Pular para o conteúdo principal
"Conversas demoradas e idiotas, convidados, solicitantes, os dois ou três rublos de gorjeta, os gastos com os cocheiros para visitar os doentes que não me dão nem um centavo —, enfim, uma bagunça tamanha que me dá vontade de fugir de casa. Pegam dinheiro emprestado e não devolvem, surrupiam-me livros, não dão valor ao meu tempo... Só me está falando um amor feliz."

"Há um pernilongo em meu quarto. De onde terá vindo?"

Das cartas de Tchékhov a Suvórin, seu editor e amigo

Comentários

nosbor.araujo disse…
O filme "Asas do Desejo", de Wim Wenders, teve estréia mundial em 17 de maio de 1987 no Festival de Cannes. Os anjos pairaram sobre uma cidade de perfil bem distinto daquele que a capital alemã tem hoje. AINDA PAIRAM, SEMPRE VÃO..
No 17 de maio de 1987, Asas do Desejo, do cineasta alemão Wim Wenders, estreava no Festival Internacional de Cannes. Mais de duas décadas depois, os temores do diretor de que o filme fosse mal compreendido por público e crítica não passam de uma pálida lembrança. CARA PÁLIDA DEITA EM CAMA MOLE, COME COMIDA ENLATADA, IMAGINA VIDA SEM VIVER E QUER VOAR COMO OS PÁSSAROS FAZENDO BARULHO DEMAIS POR NADA, CARA PÁLIDA USA PELE DE SERPENTE, É UM FRACO QUE SE ARRASTA.

O longa tornou-se não apenas um clássico da história da sétima arte (com direito a volta triunfal aos cinemas alemães em maio de 2006, quando se comemorou seu "aniversário" de 20 anos), mas talvez a realmente última grande obra cinematográfica de Wenders. E, acima de tudo, um dos mais belos registros de uma Berlim que há muito deixou de existir. MENTIRA BERLIM ESTÁ CADA VEZ MAIS MARAVILHOSA.

Os anjos que sobrevoavam a cidade dividida, desejando experimentar a intensidade da dor e do delírio humano, rodaram o mundo. Asas do Desejo (ou "O céu sobre Berlim", na tradução fiel do original Der Himmel über Berlin) tornou-se um must entre cinéfilos mundo afora. MUITO MUDO.

Wenders levou o prêmio de melhor direção em Cannes e o filme foi, em seguida, exibido em mais de 80 salas dentro da então Alemanha Ocidental. Fora do país, a recepção foi tamanha que o longa chegou a ficar em cartaz mais de um ano no Japão. OZU GA GA GA USO Z EM MU..

Arquitetura de luz e sombras, COMO
SE FOSSE POSSÍVEL DE OUTRO JEITO..
O francês Henri Alekan: mestre da luz"Em outra cidade que não Berlim, eu jamais teria tido a idéia de fazer um filme como este", disse o diretor 20 anos depois, ao diário Berliner Morgenpost. WESELY LY LINA KIM E OS TRES PORQUINHOS CONTRA O BAFO DE ONÇA NA TV NO JORNAL CORREIO POMBO SEM ASAS...........

Certamente nenhuma outra cidade teria oferecido às lentes do fotógrafo Henri Alekan uma paisagem urbana tão abandonada, exatamente onde as referências à história eram tão marcantes, como na Potsdamer Platz, por exemplo. Da mesma forma, certamente nenhum outro fotógrafo teria captado a textura da cidade com tamanha sutileza quanto Henri Alekan. CASO FOSSE TEXTURA NÉ RO

"Sua luz criou um novo espaço, no qual existia também outro tempo e no qual se falava outra língua, uma língua mais poética. Henri criou uma arquitetura de luz e sombras, construindo um equilíbrio marcadamente complexo entre tons claros e escuros, do mais profundo negro ao mais claro branco", dizia Wenders seis anos mais tarde, na entrega do Prêmio Wilhelm Murnau ao fotógrafo francês, em 1993. NÃO

"Se hoje, no fim da minha carreira, olho para trás, o filme mais importante que fotografei, a coroação do meu trabalho, foi Asas do Desejo", respondia Alekan a Heidi Wiese, em declaração publicada no volume A Metafísica da Luz, antes de sua morte em 2001 aos 92 anos. O QUÊ FOI PERMITIDO.

Cidade do preto-e-branco COLOR...

As imagens do filme fotografadas por Alekan, quase todas em preto-e-branco, são um registro sensível e raro das muitas faces de Berlim, maquiadas desde a reunificação do país: o Muro como cicatriz viva da Guerra, a solidão de uma Potsdamer Platz gélida e vazia, uma Anhalter Bahnhof perdida e a deserta paisagem de Prenzlauer Berg, preenchida apenas por alguns Trabis, os carros típicos do Leste alemão. CAIXAS AMBULANTES BURLO

Esta seqüência "do outro lado do Muro", na então Alemanha de regime comunista, "foi rodada por um fotógrafo de Berlim Oriental. Não pudemos colocar o nome dele nos créditos, pois havia feito as imagens escondido e nos cedido secretamente", contou Wenders ao jornal Berliner Zeitung. 318 BMW....

Damiel (Bruno Ganz) e Cassiel (Otto Sander): Anjos sobre Berlim, FINCAD

Era a Berlim de Nick Cave e dos shows embaçados nos galpões mal-iluminados, como o que se vê no filme. Sem Nick Cave, disse Wenders ao Die Zeit, "não teria havido (pelo menos não para mim) a sensação de que aquela cidade ilhada era, ao mesmo tempo, o centro do mundo. Este australiano soturno e seu guitarrista Blixa Bargeld fizeram ali uma música que conseguiu definir melhor aquele tempo do que qualquer outra música qualquer outro lugar". JUSTICADO DO INÍCIO

Clássico da história do cinema AO FIM SEMPRE AS MESMAS FALAS SALAS..

Embora todas essas imagens se tornem cada vez menos compreensíveis para o espectador de hoje, devido à distância do tempo e às constantes mudanças da cidade nos últimos anos, Asas do Desejo é um desses filmes que, como Paris, Texas ou Alice nas Cidades – para se ater apenas a Wenders – "ficam". MASSIFICAM MÁ

Marion (Solveig Dommartin): a trapezista do Circo AlekanOs anjos Damiel e Cassiel ficam, mesmo que o rosto do ator Bruno Ganz esteja hoje mais associado à Queda de Hitler, mesmo que o purismo estético de Henri Alekan venha se tornando cada vez mais raro na era da tecnologia e dos retoques milagrosos da pós-produção, mesmo após a morte prematura, em janeiro de 2007, da atriz Solveig Dommartin, a trapezista por quem o anjo Damiel se apaixona. NINGUEM NEGA NADA?

Este "Céu sobre Berlim" entra como clássico para a história do cinema, porque conseguiu cartografar magistralmente a singularidade de Berlim nos anos que antecederam a queda do Muro. Conseguiu fazer com que o espectador fosse levado, se não de fato, pelo menos em sonho à cidade dividida, isolada e única. Levado até lá, nas asas do desejo, para passar a saber, assim como Damiel na última cena do filme, "o que nenhum anjo sabe". GARGALO..

O filme "Asas do Desejo", de Wim Wenders, teve estréia mundial em 17 de maio de 1987 no Festival de Cannes. Os anjos pairaram sobre uma cidade de perfil bem distinto daquele que a capital alemã tem hoje. AMANHÃ DEPOIS DE AMANHÃ..
No 17 de maio de 1987, Asas do Desejo, do cineasta alemão Wim Wenders, estreava no Festival Internacional de Cannes. Mais de duas décadas depois, os temores do diretor de que o filme fosse mal compreendido por público e crítica não passam de uma pálida lembrança. ERÃÇA RAÇA DE ERÃ...,

O longa tornou-se não apenas um clássico da história da sétima arte (com direito a volta triunfal aos cinemas alemães em maio de 2006, quando se comemorou seu "aniversário" de 20 anos), mas talvez a realmente última grande obra cinematográfica de Wenders. E, acima de tudo, um dos mais belos registros de uma Berlim que há muito deixou de existir. DE NOVO DE VÉU..

Os anjos que sobrevoavam a cidade dividida, desejando experimentar a intensidade da dor e do delírio humano, rodaram o mundo. Asas do Desejo (ou "O céu sobre Berlim", na tradução fiel do original Der Himmel über Berlin) tornou-se um must entre cinéfilos mundo afora. RÍMEL LEVE NOS OLHOS MÁSCARA BRANCA NO...

Wenders levou o prêmio de melhor direção em Cannes e o filme foi, em seguida, exibido em mais de 80 salas dentro da então Alemanha Ocidental. Fora do país, a recepção foi tamanha que o longa chegou a ficar em cartaz mais de um ano no Japão. MADE IN JAPAN RASGADO....

Arquitetura de luz e sombras SIM E CONCRETO APARENTE COM FERRO.

O francês Henri Alekan: mestre da luz"Em outra cidade que não Berlim, eu jamais teria tido a idéia de fazer um filme como este", disse o diretor 20 anos depois, ao diário Berliner Morgenpost. GARANHÃO MANGA LAR

Certamente nenhuma outra cidade teria oferecido às lentes do fotógrafo Henri Alekan uma paisagem urbana tão abandonada, exatamente onde as referências à história eram tão marcantes, como na Potsdamer Platz, por exemplo. Da mesma forma, certamente nenhum outro fotógrafo teria captado a textura da cidade com tamanha sutileza quanto Henri Alekan. CAN-CAN PERNAS PARA CIM

"Sua luz criou um novo espaço, no qual existia também outro tempo e no qual se falava outra língua, uma língua mais poética. Henri criou uma arquitetura de luz e sombras, construindo um equilíbrio marcadamente complexo entre tons claros e escuros, do mais profundo negro ao mais claro branco", dizia Wenders seis anos mais tarde, na entrega do Prêmio Wilhelm Murnau ao fotógrafo francês, em 1993. MAT

"Se hoje, no fim da minha carreira, olho para trás, o filme mais importante que fotografei, a coroação do meu trabalho, foi Asas do Desejo", respondia Alekan a Heidi Wiese, em declaração publicada no volume A Metafísica da Luz, antes de sua morte em 2001 aos 92 anos. DE MUNIQUE SEI ACENT

Cidade do preto-e-branco CINZA GRI

As imagens do filme fotografadas por Alekan, quase todas em preto-e-branco, são um registro sensível e raro das muitas faces de Berlim, maquiadas desde a reunificação do país: o Muro como cicatriz viva da Guerra, a solidão de uma Potsdamer Platz gélida e vazia, uma Anhalter Bahnhof perdida e a deserta paisagem de Prenzlauer Berg, preenchida apenas por alguns Trabis, os carros típicos do Leste alemão.

Esta seqüência "do outro lado do Muro", na então Alemanha de regime comunista, "foi rodada por um fotógrafo de Berlim Oriental. Não pudemos colocar o nome dele nos créditos, pois havia feito as imagens escondido e nos cedido secretamente", contou Wenders ao jornal Berliner Zeitung.

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…