Pular para o conteúdo principal

Neste dia em que acabam as minha férias,

acordo com a sensação de que falo

todas as línguas do mundo,

menos a que cresceu comigo,

que deu voz às minhas alegrias

e realidade ao universo em que sempre vivi.

Não consigo me comunicar com meus familiares,

com a realidade que me circunscreve,

com a anarquia dos meios de comunicação,

com.


A poesia é uma procura — de um lugar, de uma ordem,

de um Reino, ou mesmo de um desastre infernal

a nos comer eternamente o fígado.

Todo homem está numa procura. De si mesmo, de um lugar.

A procura dos limões para o olhar,

dos girassóis para o sol das manhãs.

Uma frágil mão para fortalecer a nossa frágil mão.

A partir da tradução de Octavio Paz,

deixo aqui a minha versão do poema que Czeslaw Milosz

dedicou ao poeta hindu Raja Rao,

que trata desta universal procura.


Raja Rao, como gostaria de saber
a causa desta enfermidade.

Anos a fio não pude aceitar
que onde estava era meu recanto.
Em outra parte estava meu lugar.

A cidade, as árvores,
as vozes dos homens,
não eram, não estavam.
Vivia num eterno partir.

Noutro lado havia uma cidade real,
árvores reais, vozes, amizade, amor, presenças.

Atribubue, se quiseres, este caso peculiar,
à borda da esquizofrenia,
à messiânica esperança
de minha civilização.

Infeliz sob a tirania,
infeliz na república:
numa, suspirava pela liberdade;
noutra, pelo fim da corrupção.

Construía em minha alma uma cidade,
permanente, às pressas desterrada.

Por fim aprendia a dizer: esta é minha casa,
aqui, diante da chama do crepúsculo marinho,
nesta margem à beira de tua Ásia,
nesta república moderadamente corrompida.

Raja, nada disto me curou,
de meu pecado, de minha vergonha.
A vergonha de não ser
aquele que pude ser.

A imagem de meu ser
cresce gigantesca no muro
e esmaga minha sombra miserável.

Por isso acredito no Pecado Original,
que não é outra coisa senão a primeira
vitória sobre o eu.

“Atormentado pelo eu e pela traição”:
te dou, como vês, um fácil argumento.

Ouvi que falavas em libertação:
idêntica à de Sócrates
a sabedoria de teu guru.

Não, Raja, eu devo começar
a partir do que sou.
Sou os monstros que habitam meus sonho,
os monstros que me ensinam quem sou eu.

Se estou enfermo, quem pode dizer
que o homem é uma criatura sã?

A Grécia tinha que perder, sua pura inocência,
tinha que se tornar mais intensa nossa agonia.

Precisávamos de um Deus que nos amasse,
não na glória da beatitude: em nossa fraqueza.

Não há alívio, Raja,
meu destino é agonia e luta,
abjeção, amor e ódio a mim mesmo:
Orar pelo Reino Eterno e ler Pascal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…