Pular para o conteúdo principal

O Carlos Willian me pediu um pequeno texto para o Opção Cultural com indicações de leitura para 2008. É com o texto que escrevi para ele que saúdo todos os meus visitantes com meus votos de um 2008 de mais humanidade:


São diversas as justificativas para a obrigatoriedade da leitura. Uma de Harold Bloom é a que mais satisfaz. Em uma de suas obras ele diz que devemos ler para combater a “presunção”. E, para combater a presunção, o acompanhamento de todos os segmentos das artes é tarefa imprescindível. Tarefa imprescindível, igualmente, o desenvolvimento de alguma tarefa — nem que seja crítica — que leve à participação social. Não adianta a leitura, a música, o teatro, se não há alguma integração com o humano.

O que se espera, em cada início de ano, é que a participação aconteça de forma mais integradora. Aguardamos sempre que desembarque nas livrarias novos livros definidores, desintegradores — e, com eles, desintegremos a nossa cavalar desumanidade. Presumimos que temos conhecimento, presumimos que somos humanos.

Em 2008, eu continuaria lendo Rilke, Kafka, Dostoievski. No entanto, algumas edições recentes merecem o desembolso de alguns reais e de algumas horas de solitária leitura. Duas coleções me chamam a atenção, inclusive pela abordagem social divergente: O quarteto de Alexandria, de Lawrence Durrell, pela Ediouro, em primeira tradução no Brasil, de uma poeticidade extraordinária, como se fosse um romance de viagem, mas com personagens deslocados da sociedade, por demais aristocratas; e a caixinha com os três livros de memórias de Máximo Gorki (Infância, Minhas universidades e Ganhando meu pão) pela Cosac e Naif, que continua encantando leitores mundo afora — este pertence sabidamente à corrente realista.

E depois dois livrinhos pequenos para os tempos de menos disponibilidade de leitura: O velho e o mar, da Civilização Brasileira (esse belo livro merece uma edição de bolso, acessível), de Hemingway; e Uma vida em segredo, de Autran Dourado, pela Rocco. Hemingway nos mostra a necessidade de cumprimento de nossos projetos, a necessidade de enfrentarmos nossas tarefas com honradez e determinação. Já Autran Dourado, nessa pequena obra prima da literatura brasileira, nos ensina a necessidade de respeito às diferenças culturais. E que todos não deixem de acompanhar a reedição da obra de Graciliano Ramos, toda revisada, pela Record. Ai, são tantos livros! Não gostaria de esquecer Érica e seus irmãos, de Élio Vitorini, pela Berlendis @ Vertecch. Romacinho desgraçado. Gostaria que ele acertasse o estômago de mais gente!

Estes e muitos outros livros são leituras obrigatórias, para nos livrar da presunção de que sabemos, em qualquer ano que comece.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…