Luiz Martins da Silva, poeta daqui de Brasília, nosso amigo, visitou este blog e nos remeteu email incentivador. Deixamos aqui um poema de sua autoria.


Tercetos


Luiz Martins da Silva

Por mais que se queira o oásis,
Nada irá conter o determinado,
A implacável têmpera da areia.

Quando acordamos, de imediato,
A clareza: foi tão somente sonho.
Não há sereias.

Há anos, na montanha, um monge
Acredita ter firmemente aprendido:
Vencer é não lutar.

De volta ao mundo, às ruas,
Ao calor dos sentidos, ei-lo de novo:
Ressurgente, ereto: o desejo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

ULISSES, de Tennyson