São multidões para morrer
e para as urnas faltará madeira

No melhor recorte de pedra
já esculpida a minha cupa
Irei sem exércitos, sem armas
com as culpas que fiz e herdei
Sem água, punhos de marfim, elmos
na cúpula de silêncio
só com meu recorte de pedra
Sem guilhotina, horda de dementes,
engendro grafias para que a sabedoria
não seja só outro grão na areia

No mostruário, confundem-se os ossos
expostos com ostras e oferendas

Desconheço se é de um filho
ou de uma amada ou do inimigo
os ossos que levo por meus
No último dia não virá
a criança que sapateava
em espasmos de alegria
Saltitava sobre o tablado
sobre os entrelaces dos guerreiros
Com os ossos de outros ou meus,
terei de mover a minha cupa,
fazê-la o aríete de arrebentar
os portões da fortaleza


Na cupa não haverá outras inscrições
Na fortaleza já se apagaram os últimos frisos
Somos — eu e os guerreisos,
eu e os ossos de uma amada, e do inimigo —
só os entrelaces na tapeçaria
em que saltita a criança dos pequenos guisos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

ULISSES, de Tennyson