Pular para o conteúdo principal
Visitei ontem uma exposição de documentos
da história portuguesa.
Impressionante a peça denominada "cupa",
que os antigos deixavam dentro da tumba.
Parece um pesado aríete de Pedra,
taLVEZ para arrebentar as portas do paraíso.
Ainda pesquisam seu significado.
Enquanto isso, deixo aqui um poema
em que me valho de sua simbologia
para registrar a minha inquietação
de estar presente no Universo.
Versos, portanto, de inquietação.

Comentários

Robson disse…
7/22/2007
Pensées d'Enfant




Vou dar palavras: TORTA, propaganda GOOGLE no meu querido DIÁRIO.


SARTRE uma linha, e veja que isto é o correio brasiliense jornal de brasília, dando a notícia local, pois neste universo a cidade para raios, desmonta seus circus, come seus pãos, sem mesmo saber onde fica a toca da toupeira.


CLARO VIVO TIM GIM, tônico quinino, mirando os insetos com a bomba de fritz no bigode. Mas quem que inventou a desconsideração ?


Antes mesmo de desconhecer orientava-me por pardais no pio da manhã no rodopio da tarde com copada arvore alvoroço meu caro moço desinteressante mesmo in passant no proximo lance descubro o ponto de rompimento lutaria ainda eu sei mas bob fichinha abandona e corre para a ilha de bicicleta leva o WALDEN OU A VIDA NOS BOSQUES inventa um novo tabuleiro com mais cavalos encontra o cachorro sem o mato a pomba pousa sem a mensagem...


Se cada signo tem seu bicho a bicha cresce solitária na barriga nordestina vazando merda por toda parte, um periódico legislativo relativisa com o cartão de crédito, e emplaca na porteira: PROIBIDA ENTRADA !


sÓ NEGUEI IMPOSTOS, POIS IMPOSTO NÃO DOU.


Paragrafado de ponta, os cacos bem limpos e fixos, com diversas cores, dão caleidoscopio para pulsos intrepidos, nesta trepidante missiva. Rompendo o que não estava unido, derramando o magenta no algodão azul.


PULO O MURO QUANDO BEM ENTENDER A NOITE ME PERTENCE MEUS PÉS DE PANO COBRE LÉGUAS PASTO ADENTRO.

Postado por Robson

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…