Pular para o conteúdo principal
Como um velho urso, só hibernei neste carnaval. Recebi a visita de meu irmão Zezinho Carteiro, acompanhado de duas de suas sobrinhas, que gostam de me visitar durante as férias. Deixei-as frustradas, pois acabaram ficando em hibernação comigo. Perdão, Mariana e Lavínia. Continuem me visitando. De repente, numa das próximas férias, o tempo esteja melhor e eu também esteja mais animado para passeios.
Vi alguns filmes, todos classe B ou C, ou ainda mais abaixo na escala cinematográfica. Um deles, Menina de Ouro, de Clint Eastwood, faz referência a um livro que estou lendo — O Urso Azul, de Lynn Schooler. O autor é de um guia de turismo do Alasca, e, neste livro, relata a sua experiência com as viagens para acompanhar Michio Hoshino para fotografar aquela região (e acabou morto por um urso pardo). Talvez Clint Eastwood não faça referências explícitas a este livro. A última adversária da menina de ouro, íntegra de imensa maldade, leva o nome de Urso Azul. O nome tanto pode ser uma referência ao livro de Lynn Schooller quando ao nome de uma seita maometana.
Assim que acabar de ler este livro, vou enviá-lo para Kelly, a minha sobrinha bióloga. Vai contribuir para reafirmação de sua paixão pelo animais.
É um livro cativante, não só pelo colorido do Alasca, mas pela pesquisa e pela acuidade com que o autor expõe suas experiências. E sabe dar um toque poético às memórias. Sempre coloca um detalhe que nos emociona. A aparição da toninha da Dall me emocionou. Pois, para suportar o frio da região, tem o coração maior que todos os outros órgãos para bombear o sangue com maior rapidez. No Alasca, se um homem cai no mar, estará congelado em 20 minutos, mesmo com roupas protetoras. Até a toninha de Dall tem de adaptar o seu coração para sobreviver.
Assim, temos de estar adptando o nosso coração, como a toninha de Dall, para vivermos.
Queria colocar aqui uma fotografia da toninha de Dall, mas, além de não localizar alguma, ainda aumentou a minha confusão para compreender a classificação dos golfinhos e das baleias. Pois, as classificações ora classificam as orças e as toninhas como golfinhos ora como baleias. O certo é que todos são cetáceos.
Foi até importante para relembrar Moby Dick, de Melville, cujo personagem é uma baleia branca. E há baleias bem maiores que as brancas.
Mas o número de informações é inesgotável para aguçar nossa curiosidade. Adquirir cultura, diante desse mar de informações, é um trabalho de árduo e cativante exercício diário; e que tem o mérito de poder ser praticado mesmo em hibernação.

A classificação dos golfinhos:
Orcas;
Golfinho de Bossa;
Golfinho-Comum;Golfinho Roaz-Corvineiro;
Golfinho de Flancos Brancos;
Golfinho Roaz Negro;
Baleote;
Golfinho-Baleia-Setentrional;
Grampo ou Golfinho de Risso;
Golfinho de Bico Comprido;
Golfinho Salpicado;
Vaquita;
Toninha Comum;
Golfinho da Guiana;
Toninha de Dall...

A classificação das baleias:
Baleia Azul(31m)
Baleia Fin (25m)
Baleia Comum (23m)
Baleia Cachalote (21m)
Baleia Boreal (20m)
Baleia Corcunda (19m)
Baleia da Biscaia (18m)
Baleia Franca ou Verdadeira (17m)
Baleia Azul Boreal (17m)
Baleia Sardinheira (16m)
Baleia Jubarte (baleia preta) (16m)
Baleia Azul Bryde (15m)
Baleia Cinzenta (15m)
Baleia de Bico de Baird (12m)
Baleia Minke (10m)
Baleia Bico de Garrafa (10m)
Baleia Orca (10m)
Baleia Anã (10m)
Baleia Piloto (08,5m)
Baleia de Cuvier (07,5m)
Baleia de Bico de Pato (07m)
Baleia Narval ou Unicornio do mar (06m)
Baleia Pigneu Verdadeira (06m)
Baleia Branca (06m)
Baleia Cachalote Anã (03,7m)
Baleia Golfinho (02,1m)
Baleia Toninha de Dall (02m)

Comentários

Zezinho disse…
hibernamos e estamos prontos prá vida.temos que ter esses momentos familiares.beijão

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…