Pular para o conteúdo principal

Email do poeta João Carlos Taveira

Saloma,

       Realmente andas sumido. Que houve? Não dás mais as caras. Ontem, Miranda perguntou por ti e eu disse que não sabia, que havia dias não nos falávamos. O telefone celular é caro, mas o fixo ainda é viável. Espero que estejas bem. Abraços, Taveirovsky

Respondo:
Mas estou aqui, me sentindo também meio russo, também meio Salomonsky, pois distante das alegrias da escritura, a não ser pelas leituras. Terminei a leitura de "As aventuras do Sr. Picwick", de "A utopia", e talvez eu avance pela "Noite", do grande Érico Veríssimo. Agora, poesia, que é bom, anda arredia. Se bem tenha sido, a pouco, atropelado por uma borboleta amarela, que atravessou ilesa, à minha frente, o sinal fechado.

Mas ainda ontem ao chegar à rodoviária e me deparar com o Teatro Nacional, imaginei que o amigo Taveira, em caso de concerto, estaria ali com outros amigos comuns ao abrigo do céu fechado pela noite e pela ameaça de chuva.
Entrei na multidão e fiquei por isso mesmo, pois parti para minha casa.
Logo nos veremos
Abraços.
Salomão


O amigo Taveira na foto

Comentários

Robson disse…
11/10/2010
Lembra dos objetos das lavagens?

A História da puta que te pariu. As divisões de silêncios na paisagem. O instante determinado. Os planos de voos. Ele fazia com formas alheias os moldes para a sua bunda. Sentar é uma parte feminina agora eu não sou louco de pontuar se não ele vai pensar que eu estou sentando em qualquer coisa sei lá eles são dados de pensar pensam que dados é pensar e tem medo de jogá-los e dar 1 não sabem que se cair de ponta dá tudo 21-arte de um só lance de dados o nome do meu cão é Lance. Porque emendou? Vi o canto do goleiro! O câncer está ligando pra associar. Quantos pássaros numa mata ao alcance dos seus ouvidos você já ouviu cantar de uma vez só? Por quanto tempo você andou dentro de uma mata fechada sem ver o sol? Você é um estudioso do cu? Não sou homem de negócios, mas sei fazer o único lance pra não levar mate. A História está ficando intrigante? Que tigre quer usar a do Bengala, cheirar do seu rapé rir das suas piadas ser mito dos seus mintos? No espelho minha bunda muda todos os dias depois dos treinos perde para as minhas coxas é uma bunda de mais de meio século e não riam pois se vocês não tem relações com a bunda de vocês como querem ter com a minha? Tanto, por nada: era assim que eu disse que iria começar este tecido, que desfiou-se.
Postado por Robson às Quarta-feira, Novembro 10, 2010 0 comentários
Robson disse…
Salomão, você foi exato. Era isto que e eu estava querendo te propor, quando falei da possibilidade de escrever um livro com perguntas e respostas:na lata!
Vamos fazer?

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…