Pular para o conteúdo principal

Lídia Arantes Borges

A poeta e artista plástica Lídia Arantes Borges, que visitei em Piracanjuba com o amigo Herondes Cézar, lançou o livro de poemas  Navegando nas Ondas do Tempo. Não pude estar presente ao evento, e ainda não vi o livro.
O amigo Herondes Cézar voltou a Piracanjuba e esteve com a poeta. Ele escolheu os poemas que postamos abaixo. Vida longa aos poetas! E a amizade seja eterna!

AS ROSAS E AS GRAÇAS

Santa Teresinha das Rosas,
Santa Teresinha das Graças,
minha linda santinha
das rosas e das graças!

Primeiro virão as rosas,
depois as graças virão,
cai uma chuva de pétalas
que se espalham pelo chão!

Vou recolher as pétalas,
vou alcançar as graças,
as pétalas guardarei com amor
no meu cofre de latão.

Sempre que me achar sozinha
triste, triste a chorar,
vou lembrar-me da santinha,
terei as graças na mão!

A BANDEIRA DA PAZ

Lá vai o barquinho
com a bandeira branca,
símbolo da paz,
ao sabor dos ventos,
no mar de ondas revoltas,
singrando, singrando...

Ondas sobem,
ondas se quebram
e o barquinho continua
seja dia, seja noite,
rumo ao porto longínquo,
singrando, singrando...

Barquinho sobe,
barquinho desce,
vencendo procelas,
desafiando intempéries
e a bandeira permanece
tremulando, tremulando...

PALAVRAS QUE O VENTO TROUXE

Eu preciso de uma folha
em branco,
eu preciso de um lápis
ou caneta, agora.
É que o vento que passa
assobia
poesia,
palavras soltas
envoltas
em mistérios e
encantamento.

Pego uma folha invisível
e com os dedos da imaginação
tento gravar as letras
antes que se percam
na vastidão.

Ora, se eu tivesse um carvão
fosse aquele que restou
das fogueiras de Santo Antônio
ou São João
que versos tão lindos
eu iria transcrever.

Pena que o carvão
já virou cinzas
que o vento
e o tempo
espalharam pelos confins.

O ouvido bem atento
aos assobios do vento
consegui desvendar
na alma das coisas
o clamor da poesia,
suscitando sentimentos
que permeiam o nosso dia:
sonhos e realidade
na doçura das lembranças
no gosto amaro da saudade.

A VELHA PONTE

Velha ponte de tantos anos
quantas histórias tens para contar?
Muita água rolou sob ti,
cantarolando notícias
de outras paragens.

Com seu apito merencório
o trem passava,
estremecendo tuas bases,
soprando chispas de fogo,
soltando fumaças.

Hoje, és apenas o espectro
de um tempo que foi feliz.
E o trem de ferro?
Encolhido, enferrujado,
aposentado em algum canto,
tristonho por não ter mais
a chama de fogo
que o fazia viver,
por não mais apitar
acelerando corações.
O entra-e-sai dos passageiros,
o burburinho das estações,
o sorriso nos encontros,
as lágrimas nas despedidas.

Só o rio continua o seu percurso
suspirando ainda histórias
de novos amores.
E o ipê amarelo
às margens do rio
todos os anos floresce
em agosto e setembro
jogando flores douradas
sobre a velha ponte
enferrujada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…