Pular para o conteúdo principal

"Formação formal"

Em desdobramento ao debate sobre a questão da necessidade de "formação formal", que eu entendo necessária para a perfeita prática linguagem poética, foi novamente questionada pelo meu interlocutor anônimo, nos seguintes termos:
"as formalidades e as superioridades academicas por si só nao formam nem profissionais tao pouco artistas, sao nescessarias do ponto de vista social, mas nao sao imprencindiveis; linguagem do corpo, musical, ou linguagem aerea adiquire-se com percursos proprios mesmo quando indicado por mestres ou pseudos-mestres. E as interrogaçoes nunca serao questionamentos, o caro e o barato convivem bem no comercio. ao arquivo a critica; os artistas estao no mundo."
Não nego a importância da "escola do mundo", e muito menos renego a experiência de mundo que trilhei. Mas se eu tivesse a oportunidade de viver no passado, teria corrido meio mundo para participar da academia de Platão, ou mesmo de Abelardo! Tive de amassar muito pão e vender banana na feira para fazer uma universidade (que representa o ideal platônico-aristotélico de academia nos tempos atuais — pois academia indica formação e não conclave de intelectuais, como habituamos tratar hoje). No "percurso próprio" de todo homem, necessariamente tem de haver a formação formal, mesmo que esta seja contratada pelo próprio indivíduou ou pela família. Só para usar uma metáfora para a questão. A madeira está no mundo, mas em estado bruto ela não se torna um caibro, um tampo espelhado de mesa. Já é entiga a expressão: é preciso burilar o diamante. Todo ser humano é um diamante, mas precisa ser burilado pelas experiências de vida, pela educação familiar/social e pela "educação formal".
Meu carísismo interlocutor: não sou acadêmico. A minha academia é o mundo. Há sabedoria e sabedoria! Antigamente, a sabedoria, para saber chover, consistia em cheirar o vento; hoje a sabedoria para saber do clima passa pela academia-universidade-formal. E assim, também acontece com a linguagem poética.




Voltei a ser questionado, de novo de forma anônima, sobre a necessidade da "educação formal" para que o indivíduo seja poeta— se eu acredito nessa necessidade.
Primeiramente, é bom que se diga que, assim como na música, há uma hierarquia na poesia. Há a música de raiz, integrada ao folclore, que não exige formalidade, apenas domínio de certos ritmos já definidos; há a música popular, que está próxima do folclore e já exige domínio de composição e execução; e assim para adiante até se chegar à música erudita. Há o poeta inserido num processo quase folclórico — cite-se o caso do repentista —, e há aqueles que dominam o idioma, os procedimentos da língua erutita, que chegam a uma intimidade com as exigências do processo criativo. Para estes últimos, só a "formação formal" apresenta habilitação.
E acredito em mais: há uma crise na linguagem da poesia contemporânea justamente por faltar algumas disciplinas à "educação formal" atual , tais como línguas antigas, filosofia, bem como melhores escolhas nas adoções dos livros didáticos.
Não há mais espaço para amadorismo no campo das artes, assim como não há no campo dos esportes e da tecnologia.
Acredito que o meu caríssimo "anônimo" disso não discorde.


Alguém me questinou de forma anônima — por isso a necessidade de uma resposta específica — uma expressão por mim usada num dos tópicos deste blog. Confesso que — no momento da entrevista ao jornal Tribuna do Planalto— usei a expressão "formação formal" de forma inconsciente. Ela é equivalente a "educação formal". No entanto, pude constatar que ela é fartamente empregada no meio jornalístico e acadêmico. No contexto em que a utilizei, quis salientar a importância do educação para o exercício da literatura. Alguns exemplos do uso da expressão:

Lula não tem uma formação formal, mas é um exemplo de atitude de vida.
A Tarde (2004)

Os custos de formação nas empresas tendem a ser baixos quando comparados com os da formação formal apesar dos empregados saírem.
Relatório do PNUD

Para nós é um “educador profissional” que passa por um sistema de formação formal e
que continua nesse processo ao longo de sua vida.
Documento da UNESP

Comentários

Anônimo disse…
mais é preciso mesmo a tal da educaçao formal para ser poeta?
Anônimo disse…
as formalidades e as superioridades academicas por si só nao formam nem profissionais tao pouco artistas,sao nescessarias do ponto de vista social,mas nao sao imprencindiveis ;linguagem do corpo,musical,ou linguagem aerea adiquire-se com percursos proprios mesmo quando indicado por mestres ou pseudos-mestres. E as interrogaçoes nunca serao questionamentos,o caro e o barato convivem bem no comercio. ao arquivo a critica; os artistas estao no mundo.

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…