Pular para o conteúdo principal

Naguib Mahfouz


Sempre me comove a morte de um escritor. Fica aquele vácuo de saber que ele não mais contribuirá com novas construções de sustentar a humanidade. Digam o que quiserem, mas o Prêmio Nobel nos obriga a pensar nestes construtores de barragens contra as ameaças que buscam solapar o humanismo.

Aos 94 anos de idade, faleceu nesta data (30/08/06) o egípcio Naguib Mahfouz, aos 94 anos. Autor de mais de 50 livros, dos quais 9 títulos foram traduzidos no Brasil (traduções na maioria esgotadas). Tenho várias destas traduções, mas que, por falta de tempo, ainda não li. Há mais de 10 anos que quero ler a trilogia "O Jardim do Passado", "Entre Dois Palácios" e "O Jogo do Destino", da editora Record.

As informações abaixo foram retiradas das agências de notícia:

Seu estado de saúde começou a se deteriorar em 1994, quando um fundamentalista islâmico cravou uma faca no seu pescoço. Ele havia sido acusado por líderes extremistas de ir contra a religião. O atentado causou graves danos à visão e à audição do escritor, assim como a paralisia do seu braço direito. No hospital, Mahfuz foi acompanhado até o último momento por sua mulher, Ateyat, e suas duas filhas, Fátima e Um Kulthom.

Mahfuz, considerado pelos críticos o maior cronista do Egito contemporâneo, é o único escritor em língua árabe a receber o Prêmio Nobel de Literatura, em reconhecimento a sua longa trajetória como poeta, romancista e articulista.

Muitos de seus livros, ao todo mais de 50 obras, foram boicotados em países árabes, pela postura política de Mahfuz, um dos poucos intelectuais árabes a aprovar os acordos de paz entre Egito e Israel em 1979, apesar de ter se declarado totalmente solidário aos palestinos.

No Brasil, sua obra tem considerável popularidade. Outras traduções brasileiras: "A Batalha de Tebas", "Noites das Mil e Uma Noites", "O Beco do Pilão", "Miramar" e "Akhenaton - O Rei Herege".

Comentários

Luana Oliveira disse…
Oi Salomão!
Ainda não entendi completamente as suas poesias (não sou muito boa em interpretar metáforas...) Mas hei de desenvolver isso e entendê-las em breve! Muitíssimo obrigada pelo livro!
Fiquei bastante feliz em ter lhe conhecido, você é uma pessoa maravilhosa! Abraços!
Salomão Sousa disse…
Luana,
se você voltar aqui, eu gostaria de saber o seu email,pois gostaria de continuar o contato com a sua família, pois a admiração foi recíproca. Todos muitos lindos, alegres e gostam de literatura.

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…