Pular para o conteúdo principal
Participamos nesta terça-feira, 15 de agosto, na Universidade de Brasília, juntamente com Marcelino Freire e Nicolas Bher, de uma mesa do Encontro Nacional de Estudantes de Letras (ENEL), destinada a debater os caminhos e descaminhos da literatura brasileira contemporânea. Carpinejar apareceu rapidamente como ouvinte, talvez interessados em ouvir Marcelino ou Nicolas Bher, pois escapuliu antes de nossa fala. O tema proposto não foi abordado com correção, pois os outros dois debatedores aproveitaram para tratar de divulgação da própria obra. Talvez tenham — por experiência — agido assim por prudência, pois tão logo apontamos algumas questões da poesia brasileira, algumas de nossas observações provocaram alguns desconfortos. Fico com a impressão que mesmo os estudantes de letras — é certo que não em sua totalidade — preferem uma poesia modernista descartável, amarrada a correntes nada progressistas. Não sou academicista, mas a poesia brasileira só terá vigor futuro com desdobramentos da poética de Jorge de Lima e das experiências de vanguardas (espelhamento das palavras e versos, com turbilhões de aliterações e assonâncias). A poesia não é mais uma ressonância humorística da realidade. Quando tratei desse assunto com Victor Sosa, em diálogo que publicamos em vários jornais, reconhecemos que a poesia contemporânea é neobarroca, e que o modernismo da Semana de 22, que passou por Leminski e Mário Quintana, já está enterrado, apesar de insistirem em premiá-lo no meio crítico por conforto do entretenimento que esta corrente poética propicia.

Transfiro para cá o comentário de Ronaldo Cagiano:

Salomão, é uma pena que, num meio propício à inquietação, que deveria instigar a novos questionamentos e à procura de caminhos, não se tenha aproveitado a oportunidade para debater os rumos da literatura e o lugar da linguagem no mundo de hoje, cujo escalonamento de valores éticos e estéticos está inviabilizando uma literatura coerente com nossas demandas e necessidades de interpretar o mundo e o momento em que vivemos. Creio que a literatura confessional dos blogs está impondo uma descartabilidade ao processo criativo, mais vale o instante que a instância criativa. A linguagem é desprestigiada em nome de um utilitarismo que despreza as semânticas e renega a nervura e a coluna dorsal da comunicação: a palavra construída com zelo e artesanato. O umbiguismo dominou a literatura. Há um vácuo que precisa ser vencido e não há como negar o passado, porque como diziz Paul Claudel, não há nada de novo ou de vanguarda quem não tenha um pé na tradição. Estamos sem rumo. O vazio existencial desaguou num abismo quase incurável. Os espamos da forma tomaram o lugar da arquitetura da linguagem. E ninguém ainda se deu conta dessa inversão, que uns entendem uns apropriam como invenção. É a agonia da palavra submetida às convulsões formais. Ronaldo Cagiano

Ronaldo:
antes de iniciar o debate, fiz questão de afirmar que estava ali em razão de sua viagem imprevista a Belo Horizonte.

Comentários

Ronaldo disse…
Salomão, é uma pena que, num meio propício à inquietação, que deveria instigar a novos questionamentos e à procura de caminhos, não se tenha aproveitado a oportunidade para debater os rumos da literatura e o lugar da linguagem no mundo de hoje, cujo escalonamento de valores éticos e estéticos está inviabilizando uma literatura coerente com nossas demandas e necessidades de interpretar o mundo e o momento em que vivemos. Creio que a literatura confessional dos blogs está impondo uma descartabilidade ao processo criativo, mais vale o instante que a instância criativa. A linguagem é desprestigiada em nome de um utilitarismo que despreza as semânticas e renega a nervura e a coluna dorsal da comunicação: a palavra construída com zelo e artesanato. O umbiguismo dominou a literatura. Há um vácuo que precisa ser vencido e não há como negar o passado, porque como diziz Paul Claudel, não há nada de novo ou de vanguarda quem não tenha um pé na tradição. Estamos sem rumo. O vazio existencial desaguou num abismo quase incurável. Os espamos da forma tomaram o lugar da arquitetura da linguagem. E ninguém ainda se deu conta dessa inversão, que uns entendem uns apropriam como invenção. É a agonia da palavra submetida às convulsões formais.
Ronaldo Cagiano
Fabrício disse…
oi meu amigo

tive que sair em função de um outro compromisso: minha filha está morando em brasília e tinha que buscá-la na escola. lamento não ter assistido sua intervenção. abraços com admiração
Fabrício

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…