Pular para o conteúdo principal
Gosto destas leituras adiadas por anos e que nos comovem quando acontecem. Há anos vim retardando a leitura das Meditações de Marco Aurélio. Trata-se de um livro de pequenas máximas, que não chegam a ser um sistema fechado de filosofia — quase um livro de auto-ajuda. O livro foi escrito em papiros e passou por diversas mãos até chegar a nós na versão que conhecemos. Algumas edições trazem o título A mim mesmo, e agora a Planeta — edição que tenho nas mãos — optou pelo título de O guia do imperador.
Quantos estão precisando de fazer leitura deste livro!!! Para ganhar serenidade!!!! Para descobrir a fragilidade da vida, a importância de nossa presença da Natureza!!!! Só com a descoberta da fragilidade o homem dá importância a todos os seus atos, e procura aliar todos os seus atos aos atos dos demais!!!!
E me deixa um vazio em alguns verbetes, pois chega a parecer com Schopenhauer. Veja:

"Quão rapidamente, num segundo, desvanecem todas as coisas, os corpos no espaço, e a memória desses no tempo! E o que são todas as coisas sensíveis e, especialmente, as que nos seduzem com a voluptuosidade ou nos amedrontam com a dor ou são exaltadas pelos homens! Quão vis são, desprezíveis, horríveis, corrompidas, mortas!".

Seu lema: Compete a você. Não podemos ficar esperando pelos outros. Não podemos. Imagina se todos ficam na espera.... Nada acontece. Nada muda. Nada move. Vamos mudar!!! A Natureza muda todos os dias. A cada dia é uma nova floração.

Comentários

...temos que lembrar como foi escrito o livro,não esquecer dos mestres do imperador,Rústico,e...a escola estóica...e o quanto vai ser importante para o Zaratustra...e Dores do mundo...e...sim:Alta ajuda.

Postagens mais visitadas deste blog

SAUDAÇÕES AO ROMANCE DE WIL PRADO

Wil Prado é uma de minhas amizades mais firmes desde que cheguei a Brasília. Desde nossos passos iniciais na literatura, foram vívidos debates e percursos juntos pela cidade. Por muros vários que atravessam a nossa vida, Wil Prado demorou a publicar seu primeiro livro. E é com alegria que vejo que figuras importantes da literatura brasileira, de cara, se manifestarem favoravelmente ao seu romance SOB AS SOMBRAS da Agonia, editado pela Chiado, de Portugal, do qual foi leitor desde as primeiras versões até o momento de escrever a apresentação. Acredito que são poucos que merecem uma manifestação eufórica de Raduan Nassar.  E, ainda, de João Almino, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras.
(...) SOB AS SOMBRAS DA AGONIA me tocou sobretudo pela linguagem, por palavras novas, metáforas bem sacadas, e os empurrões articulando o entrecho. Além disso, o romance arrola no geral gente do povo, ao lado de uns poucos salafras da elite, com caracterizações convincentes, inclusi…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…