Poema inédito [Salomão Sousa]

Poema que passou pelos seios de várias mulheres, a começar pelos seios da Jandira de Murilo Mendes):

Alguém sem pressa, com seios lerdos

assim sem repartir o leite ao fim do dia
assim chato de lembrar na hora decisiva
de abrir latas, comer as partes frias
Na decisão inconteste, ah! escorregar
cair onde ficar em definitivo
sem ter de mover uma palha
ou chamar por Dayla ou plantar adelfas
esfregar linóleos, ai, óleo nos lábios
nos decotes invisíveis, implausíveis
Ai! se vier a tromba d’água, ouvir as calhas
o orvalho silencioso nas dálias
Entre trempes, talhos encalhar
sem alguém para esquentar
as partes altas, as partes frias
Quantos anos tem o dia?

Quantos decotes a noite? quantas folhas?
Ah! os brotos vagarosos, os seios lerdos,
as cerdas, as cordas espichadas moles

As longas folgas na lentidão dos eixos
os colos sem ciências, sem superfície

e logo o amanhã se pronunciará
com a madeira podre, as fornalhas frias

Comentários

Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ana Ramiro disse…
Salomão, rendeu-se ao blog, então... Que bom! Agora, virei visitá-lo mais vezes e colocarei um link no Girapemba. E apareça também, vez por outra. Bjs.
http://girapemba.blogspot.com/
Bárbara disse…
Olá...
Meio triste por conta da Katrin...
Vim fazer uma visita rápida, depois mostrarei ao meu pai, se é q ele ainda não viu...
Até
Salomão,
muito bom conhecer este teu cantinho, que tá excelente. parbéns, vou voltar outras vezes
grande abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

ULISSES, de Tennyson