Pular para o conteúdo principal

Leo Barbosa






Salomão, li seu livro "Vagem de vidro". Impressionado com o manejo seguro da palavra que você possui. Sua poesia é dotada de precisão. As palavras soam fortes e você faz uso de recursos pouco comuns na maioria dos poetas, o que te confere uma voz muito peculiar, ainda que, naturalmente, carregue traços de clássica expressão.
Fiquei estupefato ao ler um pouco da sua história, do quanto você perseverou diante de tantos obstáculos e da sua itinerância. Diante desse farto material de vida, sua poesia não poderia ter motivação maior. Por isso que você é um poeta de fôlego.
Tua poesia também se mostra muito madura porque passeia por pelo viés crítico-político-social sem soar piegas, o que é extremamente difícil de ser feito. A linguagem seca, que tem como ambiente o rural/campestre é um tanto semelhante ao João Cabral de Melo Neto, mas você consegue ser mais sensível, sem se mostrar exacerbadamente cerebral. Isso é bom. Quer dizer que você se entrega à poesia sem cair nas sedutoras esparrelas do verso as quais somos comumente conduzidos quando escrevemos em primeira pessoa.
Na sua poesia não há lugar-comum e linguagem e cenário formam um simbiose bem realizada.
Lendo o outro volume, o “Safra quebrada”, é nítida a necessidade que havemos de ter em revisitar sua poesia. Não são herméticas, mas nos chamam a releituras porque as metáforas possuem a multiplicidade de sentidos que não cedem a uma facilidade pueril cometida por tantos poetas contemporâneos. É preciso calma para passear em seus versos. Você é exigente, então seu leitor também deve ser para que possa assimilar suas construções sintático-semânticas e filosóficas, a exemplo deste verso de “Inquietude”: “Inquietante é quem pune/ ávido por cometer o crime” ou “Somos desconhecidas brenhas/ de onde sai a fonte limpa/ Malditas luzes para esclarecer/ aquilo que já somos puros”.
Sua poesia areja a seara poética contemporânea, que, em sua maioria, quando não está carente de referências, perde-se em uma torre de babel de estilos e formas. Eis o seu mérito: de não estar em nenhuma dessas tendências.

(*) Leo Barbosa, professor e poeta, autor de “Lutos Diários” (Ed. Patuá, SP, 2013), dentre outros, é colunista do Correio da Paraíba (escritorleobarbosa@hotmail.com). Poeta novíssimo, com voz fortíssima. Asseguro que, se progredir dentro da linguagem que praticou nos dois livros que tive acesso, certamente será um dos poetas que irá nortear o futuro na poesia brasileira. Para quem está com 25 e poucos anos, tempo ele tem para isso. Agradeço de coração a leitura que ele fez de meu livro. É uma impressão de quem domina a compreensão da poesia e seu fazer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha sobre o filme "300"

Por Ana Paula Condessa

Todo filme tem seus méritos, seus pontos fortes, mas também tem furos e contradições. O filme 300, já em exibição, surgiu da história em quadrinhos “Os 300 de esparta” - criada e desenvolvida por Frank Miller. É impressionante a grandeza da produção do filme que chega a representação, com muita propriedade, por retratar a batalha que enfrenta o rei Leônidas -,os soldados espartanos, seus aliados contra o exército persa de Xerxes, na Batalha das Termópilas -, desfiladeiro da Grécia. Esparta - é uma sociedade que é toda voltada para a arte da guerra e todos os indivíduos, que dela fazem parte, são instruídos para tal. No filme é passado muito do que era Esparta e seu contexto, algo de muito valor para compreender a essência da Batalha das Termópilas - . A guerra é o meio de vida dos espartanos e, antes mesmo desta grande batalha que ficou para a história e, cujos métodos e estrutura de guerra foram usados por muitos anos em batalhas posteriores, eles moldaram um im…

ULISSES, de Tennyson

Depois que li esse poema toda minha concepção de poesia foi alterado. Não me satisfez a tradução que aparece no livro de Harold Bloom, Como e por que ler os clássicos, pois, para respeitar a métrica, acabaram cortando parte do enunciado - e isso refletiu na perda da dramaticidade. Fiz a minha adaptação livre a partir do espanhol. Auuuuuuau!!!!! Há uma tradução de Haroldo de Campos que saiu numa edição do Mais!


Fútil o ganho para um rei nada útil,
na calma do lar, à beira de penhas áridas,
unido a uma idosa esposa, a impor e dispor
iníquas leis a uma raça selvagem
que come, e amealha, e dorme, e de mim nem sabe.
A mim não resta senão viajar: beberei
a vida até o fundo. Sempre desfrutei
da fartura, e com fartura sofri, junto àqueles
que me amavam com amor ímpar; e, em terra,
arrastado pela corrente, as chuvosas Híades
agitavam o lúgubre mar: ganhei nome:
para sempre vagando com coração ávido,
vi, possuí, e muito conheci; cidades de homens
e costumes, climas, conselhos, governos,
nunca com desprezo, ma…